Cidades

Chuvas alagam lavouras e prejudicam colheita da soja e plantio do milho em Sorriso (MT)

Sindicato projeta falta de soja por conta das chuvas que afetam a região há mais de cinco dias.

Publicados

em

Chuvas alagaram lavouras, atolam máquinas e prejudicam colheita da soja e plantio do milho em Sorriso (MT) — Foto: Sindicato Rural de Sorriso (MT)

As chuvas que já duram pelo menos quatro dias alagaram as lavouras de fazendas em Sorriso, a 420 km de Cuiabá. Os produtores alegam prejuízos porque não conseguem fazer a colheita da soja e nem o plantio do milho. As lavouras estão alagadas e os maquinários usados no trabalho acabam atolando.

De acordo com Silvano Filipetto, presidente do Sindicato Rural de Sorriso, os produtores estão apreensivos.

“A nossa preocupação está muito grande. Estamos com chuvas fortes há mais de quatro dias. São chuvas absurdas e fora do normal, entre 230 a 260 milímetros até essa manhã [de terça-feira], e podemos passar de 300 milímetros”, comentou Filipetto.

O sindicato rural orienta os produtores a tirarem fotos e filmarem. As imagens serão enviadas para a defesa civil que tomará as medidas.

“Temos apenas 50% do milho plantado e a preocupação é tirar a soja. Foi um ano bom de preço, mas não sabemos se vai ter soja [o suficiente]”, argumentou o presidente.

Leia Também:  Mulheres ganham espaço no campo e atuam como operadoras de máquinas agrícolas

Ainda há 90% de probabilidade de chuva na região de Sorriso nos próximos dias, inclusive no final de semana.

Frete caro

Há duas semanas os produtores também enfrentavam outro problema: o frete está até 9% mais caro em Mato Grosso. Segundo o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), a regulação entre a oferta e demanda fez o frete subir de 2 a 9% no estado. Em algumas rotas, como a BR-163, uma das principais, o frete chega a R$ 163 por tonelada.

Fonte: G1 MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Cidades

O Governo do Estado investe em Mato Grosso por inteiro

Publicados

em


Durante muito tempo, o aniversário de Mato Grosso foi comemorado por muitos neste dia 9 de maio, mas não havia motivos para que fosse comemorado por todos. Para a população de regiões como o Araguaia, até pouco tempo apelidada de “Vale dos Esquecidos”, o 9 de maio simbolizava somente mais um marco temporal do abandono institucional do Governo do Estado.

Com muita fé em Deus, foco e trabalho sério, isso mudou. Nossa gestão tem ações, entregas e obras em andamento em todos os cantos de Mato Grosso, e em todas as áreas, e isso só foi possível pelo trabalho responsável que realizamos e que consertou as finanças do Estado. Hoje somos o estado que mais investe em obras e ações no país, com 15% da receita corrente líquida destinada a investimentos.

Porque é dever do Estado ajudar a todos, mas especialmente aqueles que mais precisam. E isso vale não só para pessoas, mas para os municípios de Mato Grosso que precisam da mão do Estado para se desenvolverem, encontrarem seu caminho, gerar emprego e trazer qualidade de vida para a população. Um exemplo é a Saúde, um problema crônico do estado e do país, que estamos fazendo funcionar. Há vácuos na Saúde em regiões de Mato Grosso, que ainda hoje obrigam muita gente a se deslocar milhares de quilômetros para conseguir atendimento de média e alta complexidade. 

Já definimos os primeiros passos para mudar essa situação. Nos próximos dias, vamos anunciar os locais onde construiremos novos hospitais em Juína, Tangará da Serra e mais um na região do Araguaia, que tanto prometeram e nunca saiu do papel. O vazio de assistência à Saúde nessas regiões finalmente vai acabar com a entrega dessas unidades hospitalares.

Leia Também:  Estado irá doar 84 mil cestas básicas aos 141 municípios de Mato Grosso

Sem contar que reabrimos a Santa Casa, ampliamos o Metropolitano em Várzea Grande, estamos reformando e ampliando todos os demais regionais e ainda retomamos as obras de dois grandes hospitais em Cuiabá, que estavam paradas há muitos anos: Hospital Central (34 anos) e Júlio Muller (8 anos). Serão seis novos hospitais em todo o Estado.

Outro exemplo é a infraestrutura. Já entregamos mais 1.600 km de asfalto novo e restauração e há mais milhares de quilômetros sendo construídos. Temos 63 pontes de concreto de médio e grande porte entregues e outras 45 em andamento. Em parceria com os municípios, também estamos substituindo milhares de pontes de madeira que causam muito transtorno à população, e que agora contarão com estruturas metálicas e duradouras.

No Araguaia, que agora já podemos mudar o apelido para “Vale da Prosperidade”, estamos construindo com recursos próprios a Ponte do Rio das Mortes, uma obra histórica, e nove obras na MT-100, com 164 km de asfalto novinho sendo construídos. Nunca teve tanta obra do Estado nessa região!

Temos pontes e asfaltamento na MT-423 no Centro-Norte, que liga na BR-163, a principal via para o escoamento da produção; na Baixada Cuiabana finalizamos há pouco o asfalto novo da MT-351, no Distrito de Aguassu, e a pavimentação da MT-402 até o Coxipó do Ouro; no médio-norte entregamos os 30,5 km na MT-140 entre Vera e Santa Carmem; no Teles Pires, entregamos os 37 km de asfalto novo na MT-338, entre Itanhangá e Tapurah; inauguramos mais de 54 km na MT-343, entre Cáceres e Porto Estrela; e há outras dezenas de obras em execução e mais dezenas a serem lançadas.

Leia Também:  Expediente na sede do Procon-MT será encerrado às 16h nesta sexta-feira

Também temos um carinho especial pela Assistência Social. Sob a liderança voluntária da primeira-dama Virginia Mendes, o Estado já distribuiu mais de 330 mil cestas básicas e estamos adquirindo mais 534 mil para distribuir neste ano. Lançamos o Ser Família Emergencial, que vai ajudar por pelo menos cinco meses mais de 100 mil famílias de bqaixa renda, que foram as mais afetadas pela pandemia.

Essa mesma distribuição de investimentos em todas as regiões ocorre na Educação, na Segurança, no Meio Ambiente, na melhoria do serviço público e nas demais áreas prioritárias.

Há pouco mais de dois anos, com um Governo do Estado que sequer conseguia pagar o salário dos seus servidores, essa realidade seria impensável. Mas entendemos que não era mais tolerável que Mato Grosso fosse rico e tivesse grandes investimentos apenas na iniciativa privada, como um gigante de produção de alimentos. Agora o Governo de Mato Grosso está nesse mesmo patamar. O trabalho sério, comprometido e o bom uso dos impostos pagos pelo cidadão passou a dar resultado e melhorar a vida de quem realmente importa: os mato-grossenses de todos os cantos desse estado.

Mauro Mendes é governador do Estado de Mato Grosso

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA