Tecnologia

Redes sociais sabem quase tudo sobre você; veja como conferir detalhes

Publicados

em


source
Redes sociais armazenam muitos dados pessoais de cada usuários
Unsplash/dole777

Redes sociais armazenam muitos dados pessoais de cada usuários

Dezenas de milhares de páginas. É isso o que cada rede social tem de dados sobre cada um de seus usuários. E esse “dossiê” pode ser baixado por qualquer um que queira entender um pouco melhor quais informações as gigantes de tecnologia sabem sobre a sua vida.

Experimentei fazer o download dos meus dados em três das principais plataformas de mídia social no Brasil: Instagram, Twitter e Facebook. Só de publicações que eu curti e reagi ao longo dos últimos 12 anos no Facebook, são mais de seis mil páginas – ou quatro bíblias. Isso sem contar comentários, conversas privadas, buscas, perfis visitados, logins, dispositivos, localização e muito mais. O que as redes sociais sabem sobre nós não é pouco.

Dados gerados com base em comportamento

Grande parte dessas informações são produzidas pelas próprias plataformas com base no nosso comportamento. Por exemplo, se eu curti muitas fotos de maquiagem e passei horas assistindo vídeos sobre isso, o Instagram pode entender que eu gosto de me maquiar. Com isso, ele vai me enviar mais postagens sobre o tema e vão começar a surgir anúncios de bases, cílios postiços e batons, por exemplo. Eu nunca contei para o Instagram que eu gosto de me maquiar, não preenchi um formulário com essa informação. Mas ele sabe disso baseado no comportamento que eu assumo na plataforma.

“É muito interessante a gente conhecer o funcionamento da plataforma a partir dos dados não só que a gente fornece, mas também os dados que eles produzem a partir do nosso comportamento”, comenta Jaqueline Trevisan Pigatto, pesquisadora em governança da internet na Associação Data Privacy Brasil. “Essa mistura dos dados que você forneceu e de dados que eles estão observando podem gerar um desdobramento, um anúncio que você não vai saber exatamente de onde veio”, comenta.

Leia Também:  Google Drive finalmente ganha atalhos para copiar e colar arquivos

Por que baixar seus dados pode ser uma boa experiência?

Essa enorme quantidade de informações pessoais que as redes sociais armazenam sobre cada usuário é o que faz cada publicação ou anúncio chegar até o feed, afinal, são esses dados que alimentam os algoritmos. Estar consciente disso é muito importante por diversos aspectos.

O primeiro deles é entender por que você consome determinado tipo de conteúdo. Ao se deparar com o motivo pelo qual o algoritmo te sugere publicações, o usuário consegue olhar de forma mais crítica para seu uso diário das redes sociais. Esse é um passo importante para controlar o tempo de tela e para evitar cair em “bolhas” de conteúdo que podem ser danosas, como as de desinformação ou aquelas que evitam opiniões diferentes.

Outro aspecto importante dessa conscientização é compreender que seus dados são seus. “Você é o titular dos dados, eles não pertencem à plataforma só porque você os forneceu”, alerta Jaqueline. A especialista afirma que ao se deparar com a enorme quantidade de informações que as redes sociais têm acesso, é possível que o usuário não queira que esse tipo de dado continue sendo coletado ou compartilhado.

Leia Também

Leia Também

Como cuidar dos seus dados na internet?

Para isso, existem ferramentas que permitem mais privacidade em todas as principais plataformas digitais. “Tem muita gente que não conhece a parte de configurações. É importante fazer uma rotina de estar sempre voltando nessas configurações de privacidade. Por padrão, as plataformas vão sempre expor ao máximo, compartilhar ao máximo seus dados, e às vezes você nem acaba se tocando”, comenta Jaqueline. Além disso, são nessas configurações de privacidade que os usuários podem encontrar explicações mais simplificadas da finalidade da coleta e uso de dados pessoais.

Leia Também:  São Paulo vira sobre Cuiabá e segue na parte de cima do Brasileiro

Sol González, pesquisadora de segurança da ESET na América Latina, ainda lembra que é possível que os usuários percebam, com o download das informações, quais delas são públicas. Com isso, dá pra escolher aquilo que você não quer que outras pessoas vejam e excluir. Ela aconselha que informações relacionadas a trabalho e família, assim como dados pessoais como telefone e e-mail sejam configurados para que apenas pessoas de confiança possam ver.

“Infelizmente, quando nossas informações já estão na internet, perdemos o controle total, pois é impossível discernir quem acessou essas informações e não”, alerta ela, que aconselha que os usuários estejam atentos antes de publicarem fotos e informações pessoais nas redes sociais.

Jacqueline concorda e aconselha que as pessoas utilizem mais as ferramentas de privacidade disponibilizadas pelas próprias redes sociais, como é o caso dos perfis fechados e de recursos para publicar apenas para “melhores amigos”.

Instagram, Twitter e Facebook

Cada rede social tem sua particularidade na coleta, armazenamento e criação de dados dos usuários. Fiz o download das minhas informações no Instagram, no Twitter e no Facebook e analisei tudo o que encontrei.

Nos próximos dias, publicaremos uma série de reportagens, uma sobre cada rede social. Nelas, você confere ferramentas que pode utilizar para ter mais privacidade na sua vida digital. Confira:

Instagram sabe muito mais sobre mim do que eu poderia imaginar

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Tecnologia

Netflix: plano mais barato vai bloquear download de filmes e séries

Publicados

em

Netflix vai impedir downloads de vídeos no plano mais barato
Unsplash

Netflix vai impedir downloads de vídeos no plano mais barato

O novo plano da Netflix, mais barato e com anúncios, está sendo construído de forma a impedir que os assinantes façam o download de filmes e séries para serem assistidos offline.

A informação aparece no código do aplicativo da plataforma de streaming para iOS, no qual há a seguinte frase: “downloads disponíveis em todos os planos, exceto o Netflix com anúncios”. A descoberta foi feita pelo desenvolvedor Steve Moser e compartilhada com a agência Bloomberg.

Além da impossibilidade de baixar conteúdos, o código também revela que os usuários do plano mais barato não poderão pular os anúncios para irem direto para os vídeos, como acontece, por exemplo, no YouTube.

Em julho, a  Netflix já havia confirmado que o plano mais barato e com anúncios não terá o catálogo completo da plataforma, deixando alguns filmes e séries de fora por questões relacionadas a direitos autorais.

Leia Também:  Com Xiaomi Fan Festival, marca dá descontos de até 47%; confira

“Hoje, podemos incluir na camada suportada por anúncios a grande maioria do que as pessoas assistem na Netflix”, disse, na ocasião, o co-CEO da Netflix Ted Sarandos. A nova modalidade de assinatura está prevista para ser lançada no início de 2023.


Fonte: IG TECNOLOGIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA