Tecnologia

5G faz vendas de celulares voltarem a crescer no Brasil após quedas

Publicados

em

Vendas de smartphones crescem no país
Unsplash/Jenny Ueberberg

Vendas de smartphones crescem no país

A chegada do 5G às principais capitais do Brasil, como em São Paulo na quinta-feira (4) , está impulsionando as vendas de smartphones no país. A previsão é que a quinta geração ajude a categoria a fechar com sua primeira alta desde o início da pandemia.

De acordo com a consultoria IDC, a perspectiva é de um avanço de 1,2% neste ano, após o mercado de celulares encerrar o ano de 2021 com queda de 6,1% e um recuo de 8,25% em 2020 nas vendas.

Embalado pela alta velocidade da nova geração, os smartphones 5G devem chegar ao fim do ano respondendo por cerca de metade dos 44 milhões de aparelhos comercializados entre janeiro e dezembro, segundo previsão da IDC.

Os modelos habilitados ao segmento mais moderno da telefonia vêm registrando avanço de 100% nas vendas.

De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), há 71 aparelhos celulares habilitados ao 5G, mas nem todos ainda foram lançados no mercado. A líder é a Samsung, que conta com 14 modelos aptos a rodar na frequência do 5G puro (o chamado standalone), na frequência de 3,5 gigahertz.

“O mercado de aparelhos tinha uma expectativa de crescer 5% neste ano, mas a crise dos componentes, a guerra na Ucrânia, o lockdown na China e o aumento no preço do frete por conta do dólar e do petróleo reduziram a perspectiva de crescimento do setor para 1% a 1,2% neste ano”, comenta Reinaldo Sakis, gerente de Pesquisa da IDC.

Sakis destaca que os aparelhos 5G, apesar de ainda responderem por uma pequena participação de mercado, vão ajudar no desempenho geral do setor. Além da maior quantidade de aparelhos compatíveis, os preços também recuam.

Leia Também:  Comprar em marketplace é seguro? Saiba como ver se a loja é confiável

“Houve uma ampliação dos modelos 5G, de top de linha para os intermediários. O que estamos vendo em pesquisas é que o usuário quer um aparelho com câmera melhor, processador potente e tecnologia com maior velocidade”, afirma Sakis.

Até milhas por um celular

Segundo ele, a volta ao trabalho presencial também vem impulsionando o aumento nas vendas, pois muitos consumidores estão aproveitando o momento para trocar de aparelho. “O segmento que está sofrendo mais é o de entrada, com preço até R$ 1,5 mil, por uma questão macroeconômica”, diz.

A consultoria Gfk também aponta recuo no preço dos modelos 5G. O valor médio caiu de R$ 5.500, no ano passado, para R$ 1.700, hoje. Os celulares 5G já respondem por 16% das unidades vendidas no Brasil, aponta Fernando Balauma, diretor da GfK.

“O 5G está deixando de ser algo das classes A e B para migrar para as classes C e D. Por isso, estamos vendo o varejo criar uma série de soluções com o uso até de milhas para comprar um modelo”, diz Balauma, destacando a alta de 230% nas vendas de modelos 5G entre janeiro e maio.

Na TIM e na Claro, por exemplo, 75% e 70%, respectivamente, do portfólio de aparelhos das operadoras já são de 5G. Em três anos, comenta Leonardo Capdeville, vice-presidente de Tecnologia da TIM, a previsão é que a quinta geração seja a tecnologia majoritária em uso na rede.

Leia Também:  Hospital da Espanha oferecerá serviços de saúde no metaverso

“Não adianta o consumidor comprar aparelho 5G e não ter uma rede 5G”, explica Capdeville, destacando que 40% das vendas da tele já são de modelos da quinta geração.

Segundo analistas, a perspectiva de vendas para o segundo semestre é positiva, pois haverá o aumento no valor do Auxílio Brasil e o décimo terceiro salário.

“Há uma perspectiva de o varejo começar a trabalhar as promoções já de olho na Black Friday a partir de outubro”, prevê Balauma.

Nem todos têm quinta geração

Existem no mercado 71 aparelhos compatíveis com a rede 5G. O consumidor deve consultar o selo de homologação localizado no aparelho ou no manual. Veja a lista de cada fabricante.

  • Apple

A fabricante tem 9 aparelhos compatíveis: como os iPhones das versões 12,13 e SE (terceira geração), incluindo modelos Mini, Pro e Pro Max. Mas a empresa ainda fará uma atualização em seu sistema operacional.

  • Samsung

A Samsung tem 28 aparelhos homologados. Destes, 14 funcionam na rede 5G pura, como os dobráveis (Z Fold e Z Flip), o S21 e o S22. Há ainda as linhas A52s, A73, A53, A33 e M53.

  • Motorola

A Motorola tem 14 modelos aptos, segundo a Anatel, como as versões Edge 30 e 20, Moto G, G100 e G200, entre outros.

  • Outras fabricantes

As chinesas Xiaomi e Realme também têm modelos aptos ao 5G puro. Há ainda aparelhos das empresas Lenovo, Nokia, Asustek e TCL.

Fonte: IG TECNOLOGIA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Tecnologia

YouTube proíbe vídeos que neguem ou banalizem facada em Bolsonaro

Publicados

em

Jair Bolsonaro foi esfaqueado em 2018
Reprodução/Twitter

Jair Bolsonaro foi esfaqueado em 2018

O YouTube afirmou nesta quarta-feira (10) que alterou sua política de combate ao discurso de ódio, passando a proibir a publicação e circulação de vídeos que neguem ou banalizem a facada sofrida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em Juiz de Fora (MG) em 2018.

“Nossa política de discurso de ódio proíbe conteúdo que negue, banalize ou minimize eventos históricos violentos, incluindo o esfaqueamento de Jair Bolsonaro. O discurso de ódio não é permitido no YouTube, e removeremos material sobre o esfaqueamento de Jair Bolsonaro que viole esta política se não fornecer contexto educacional, documental, científico ou artístico no vídeo ou áudio”, afirma a plataforma, em nota enviada ao portal iG.

Nesta quarta-feira, alguns vídeos enquadrados na política foram deletados pelo YouTube. Mas esta não foi a única regra alterada pela plataforma. Agora, também são proibidos vídeos que aleguem fraude nas eleições de 2014 – antes, a medida valia apenas para o pleito de 2018. Diante disso, a live de Bolsonaro com embaixadores publicada em 18 de julho foi deletada pelo YouTube  nesta quarta, já que nela o presidente afirmou que houve fraude nas eleições de 2014, informação que é falsa.

Leia Também:  Brasil tem mais de 77,9 milhões de doses de vacina contra influenza

A medida vem após o YouTube afirmar que não removeria o vídeo e em meio a um histórico de baixa moderação de conteúdo quando o assunto são os vídeos publicados no canal do presidente.  Reportagem do portal iG revelou que a plataforma demora em média nove meses para punir o canal de Bolsonaro e deletar vídeos nos quais ele desinforma.

A demora é um dos motivos pelos quais o canal de Bolsonaro segue no ar, já que a quantidade de vídeos excluídos poderia fazer com que ele fosse banido da plataforma.

A exclusão desta quarta-feira, por exemplo, não gera uma punição ao canal do presidente, já que o vídeo foi excluído com base em uma regra que ainda não existia quando a transmissão foi feita.


Fonte: IG TECNOLOGIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA