Saúde

Todas as regiões do Rio apresentam risco alto para covid-19

Publicados

em


Todas as 33 regiões administrativas da cidade do Rio de Janeiro foram consideradas de risco alto para covid-19 no boletim epidemiológico semanal divulgado hoje (22) pela Secretaria Municipal de Saúde. O cenário representa um agravamento da pandemia na cidade, já que, na semana passada, havia cinco regiões no nível de risco moderado.

O boletim é o terceiro divulgado pela prefeitura do Rio de Janeiro e leva em conta a incidência de casos e óbitos para definir o nível de risco e aplicar medidas restritivas específicas para cada região administrativa.

O prefeito Eduardo Paes pediu que a população coopere com as medidas preventivas e afirmou que restrições mais contundentes serão necessárias se o cenário continuar se agravando neste ritmo.

“Àqueles que acham que vão ficar na balada, nas festas, fazendo aglomeração, deixem de ser burros. Vocês estão matando pessoas. Vamos respeitar as regras. Ninguém está proibido de sair de casa, nem de frequentar espaços públicos, comércio, restaurantes, bares, mas tem que respeitar as regras. Sair disso é falta de consciência, é burrice, é falta de compaixão, falta de empatia”, afirmou o prefeito.

Leia Também:  Ao vivo: ImunizaSUS capacitará profissionais de saúde para vacinação

Paes ressaltou que o trabalho de fiscalização de eventos e estabelecimentos que descumprem as regras vai continuar. Ele citou o exemplo da aglomeração que tem se repetido no local em que antes ocorria o tradicional samba da Pedra do Sal, no centro do Rio de Janeiro.

“Não vai mais acontecer na segunda-feira que vem. Determinei ao secretário Breno [de Ordem Pública] que apreenda todas as caixas de som e equipamentos que lá estejam colocados na próxima segunda-feira”, disse Paes, que também prometeu aumentar o tempo de interdição de casas noturnas que descumpram as regras. “Vamos criar todo tipo de dificuldade para quem não tem respeito à vida e respeito ao próximo.”

Leitos

A prefeitura informou que chegou a 200 o número de leitos abertos na cidade desde o início do mês, com mais 50 vagas criadas nesta semana. Os novos leitos são nos hospitais municipais Souza Aguiar, Salgado Filho e de Piedade e no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Leia Também:  A radiação da tecnologia 5G faz mal à saúde?

Com a instalação de novos leitos desde o início do mês, caiu de 150 para três o número de pessoas que aguardam mais de 24 horas por uma vaga de internação.

Vacinação

O secretário municipal de saúde, Daniel Soranz, detalhou informações sobre as mais de 42 mil doses já aplicadas pela cidade do Rio de Janeiro. Segundo Soranz, já receberam a primeira aplicação da CoronaVac todos os profissionais que trabalharão na campanha da vacinação contra a covid-19, além de praticamente todos os idosos que vivem em residências de longa permanência e dos trabalhadores destes locais.

As próximas doses a serem aplicadas se destinarão prioritariamente a profissionais que atuam nos leitos de enfermaria e unidadades de terapia intensiva (UTI) que recebem pacientes com covid-19 e síndrome respiratória aguda. Esse grupo representa cerca de 75% do público-alvo da primeira fase, estima Soranz, que afirmou que a prefeitura está apurando denúncias de possíveis casos de pessoas vacinadas sem pertencer ao público-alvo.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: Saúde autoriza recursos para 3,2 mil leitos de UTI

Publicados

em


Com hospitais superlotados em diversas regiões do país, o Ministério da Saúde autorizou nesta terça-feira (2) o financiamento de 3.201 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusivos para pacientes com covid-19. A medida consta em portaria publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), assinada pelo ministro Eduardo Pazuello. A portaria lista cerca de 150 municípios espalhados em 22 estados. O valor a ser desembolsado pelo governo federal para custear as internações soma R$ 153,64 milhões, caso todos os municípios façam a solicitação à pasta.

Pela portaria, as solicitações de autorização de leitos, que terão caráter excepcional e temporário, devem ser encaminhadas por meio do Sistema de Apoio à Implementação de Políticas em Saúde (SAIPS), disponível no endereço eletrônico www.saips.saude.gov.br. Entre outros documentos, os municípios atendidos devem assegurar a existência de um respirador por leito, equipamentos e recursos humanos necessários para as internações.

Até dezembro, o Ministério da Saúde financiava cerca de 60% dos leitos de UTI em todo o país, mas esse número caiu para cerca de 15% este ano, por causa do fim da vigência do estado de calamidade pública, que permitia a transferência de recursos ao estados além do orçamento regular.  

Leia Também:  Ao vivo: ImunizaSUS capacitará profissionais de saúde para vacinação

A portaria prevê repasses retroativos à manutenção de leitos de UTI referentes a janeiro e fevereiro, como forma de ressarcir os estados que, nesses dois meses, tiveram de utilizar exclusivamente recursos próprios para abrir novos leitos de UTI.

Em relação a janeiro, a portaria autorizou o financiamento de 1.135 leitos em cidades de 16 estados com pagamento retroativo de R$ 54,48 milhões por mês. Já em relação a fevereiro, foi autorizado o financiamento de 2.025 leitos adultos e 41 leitos pediátricos em cidades de 22 estados, com custo total de R$ 99,16 milhões ao mês, totalizando os 3.201 leitos de que trata a portaria.

O número de óbitos por covid-19 bateu novo recorde hoje, de acordo com o balanço diário do Ministério da Saúde. Ao todo, 1.641 mortes foram notificadas desde ontem, o maior patamar desde o início da pandemia no país. O total de mortos pela doença no país está em 257.361 e o número total de infectados chega a 10,6 milhões de pessoas.

Edição: Aline Leal

Leia Também:  Caminhos da Reportagem apresenta hoje os benefícios da equoterapia
Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA