Saúde

Manaus afirma que está corrigindo falhas em lista de vacinação

Publicados

em


A prefeitura de Manaus informou, em nota, que está corrigindo as falhas na lista de pessoas que devem receber as vacinas contra covid-19 neste primeiro momento. Segundo a prefeitura, houve erros de digitação dos dados no sistema e, com isso, foram identificadas duplicidade de nomes e CPFs. De acordo com a prefeitura, ainda existem dez CPFs em investigação.

“Tão logo identificamos que havia inconsistências na listagem, começamos a trabalhar nas correções”, afirmou a diretora do Departamento de Vigilância Ambiental e Epidemiológica (Devae) da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Marinélia Ferreira.

A prefeitura da capital amazonense foi alvo de denúncias de aplicação da vacina em pessoas fora do público prioritário, que inclui profissionais que atuam na linha de frente contra a pandemia, idosos que vivem sob os cuidados de instituições, portadores de necessidades especiais também institucionalizados e indígenas que vivem em terras indígenas. A vacinação chegou a ser paralisada, mas foi retomada pouco depois. Hoje, idosos residentes em instituições de longa permanência foram vacinados.

Leia Também:  Vacina de Oxford recebe certificação de boas práticas da Anvisa

A lista também apresentou inconsistências com a presença de nomes de profissionais registrados na clínica da família Senador Severiano Nunes, embora ninguém tenha sido vacinado na unidade. Segundo Marinélia, os registros foram feitos vinculando-os à unidade por lá haver sala de vacina, conforme recomendação anterior do Programa Nacional de Imunização (PNI).

“A medida foi pontual e já está corrigida. Todos os registros já são feitos considerando o local real de vacinação dos profissionais de saúde e a lista pública, que será divulgada nesta terça (26), já deve estar com os registros corrigidos”, afirmou a diretora.

Nesta segunda-feira, foi determinada pela Justiça Federal, a suspensão de distribuição da vacina do laboratório AstraZeneca na cidade de Manaus. A decisão se basearia no argumento de que não há certeza da transparência nos critérios para distribuição da vacina na capital do estado. Duas milhões de doses da vacina produzida pelo laboratório em parceria com a universidade britânica de Oxford chegou ao Brasil na sexta-feira (22) e foi distribuída aos estados.

Leia Também:  Fundo diz que Anvisa não recusou pedido da Sputinik V

Veja matéria da Radioagência Nacional sobre a decisão da Justiça Federal.

Edição: Fábio Massalli

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

CoronaVac: 2,7 milhões de doses serão distribuídas no começo de março

Publicados

em


Até o próximo domingo (28), o Ministério da Saúde espera receber mais 2,7 milhões de doses da CoronaVac, do Instituto Butantan, prevendo a remessa das vacinas contra a covid-19 aos estados e ao Distrito Federal na primeira semana de março.

Segundo informou hoje (26) o ministério, por meio de sua assessoria de imprensa, a partir da definição do quantitativo total de doses e da previsão de entrega, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) iniciará o planejamento e a logística de distribuição de forma proporcional e igualitária às 27 unidades da Federação.

Além de mais doses do Instituto Butantan, novos lotes da vacina AstraZeneca/Oxford estarão disponíveis ao PNI em março. A expectativa é que sejam entregues ao Ministério da Saúde 12,9 milhões de doses produzidas na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e 4 milhões importadas da Índia. Também para março, o Brasil negocia o recebimento da primeira leva de vacinas do consórcio Covax Facility, somando 2,6 milhões de doses da AstraZeneca.

O Ministério da Saúde assinou ainda contrato com o laboratório Precisa Medicamentos/Bharat Biotech para compra de 20 milhões de unidades, que serão entregues à pasta até maio.

Leia Também:  "Não teve nem velório", diz irmã de cuiabano que morreu em SP

Distribuição

Desde o início da campanha de vacinação, em 18 de janeiro passado, o Ministério da Saúde distribuiu aos estados e ao Distrito Federal cerca de 15 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, dos quais 4 milhões de doses foram da vacina AstraZeneca/Fiocruz e 11 milhões de doses da vacina do laboratório Sinovac/Butantan.

Caso se confirmem os cronogramas de entrega das vacinas, o ministério estima que, até julho, seja feita a vacinação de até 50% dos grupos prioritários definidos pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19. Até o momento foram vacinadas mais de 6,5 milhões de pessoas de grupos prioritários. Os dados e o andamento da campanha de imunização podem ser consultados no LocalizaSUS.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA