Saúde

Mais de 50% dos municípios deram início à vacinação por faixa etária

Publicados

em


Levantamento da Confederação Nacional de Municípios (CNM) aponta que a imunização contra a covid-19 por faixa etária, de pessoas abaixo de 60 anos sem comorbidades, teve início em 53% dos municípios.

Desses, 71% estão vacinando pessoas acima de 55 anos, 19% entre 50 e 55; e 9% já começaram a vacinar abaixo dessa faixa etária. Os dados constam da pesquisa semanal realizada pela confederação entre os dias 7 e 10 de junho. A 12ª edição do levantamento ouviu 3.129 gestores municipais.

Grávidas

A pesquisa diz que 47% dos municípios iniciaram a vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidades. A vacina mais utilizada pelos gestores para esse público é a CoronaVac, apontada por 50,5% dos respondentes.

A Pfizer foi apontada por 42,1% dos respondentes. Esse imunizante, segundo o levantamento, foi distribuído até o momento para 51% dos municípios. A vacina da Pfizer começou a ser distribuída após alterações na forma de armazenamento da vacina, que passou a poder ficar até 31 dias em refrigeração comum. Na edição passada da pesquisa, 30,6% dos respondentes afirmaram já ter recebido a vacina.

Leia Também:  Crianças com menos 1 ano devem receber vacina contra o sarampo para viajar, diz ministério

Aulas presenciais

Esta edição do levantamento também pesquisou as medidas que estão sendo adotadas pelos municípios para a retomada das aulas presenciais. O início da vacinação dos profissionais de educação foi apontado por cerca de 79% dos respondentes, seguida pela aquisição de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), com 69%; adaptação da estrutura da escola, com 62%; e aquisição de testes de covid-19, com 41%. Já 9% dos gestores apontaram que ainda não adotaram medidas para a retomada das aulas presenciais.

Terceira onda

De acordo com a pesquisa da CNM, gestores municipais estão preocupados com a possibilidade de uma terceira onda no país. Nesta semana, 51,4% apontaram crescimento de pessoas infectadas. Em 28,4% das cidades, o cenário se manteve estável. Já 15,3% apontaram queda.

Em relação ao número de óbitos pela doença, 26,6% apontaram aumento, 48% estabilidade e 20,2% queda nesta semana. As medidas de restrição de circulação ou atividades econômicas estão mantidas em 74,2% dos municípios pesquisados.

Kit intubação

Gestores municipais também indicaram preocupação com o risco de enfrentarem a falta do chamado “kit intubação”. Nesta semana, 743 municípios (23,7%) alertaram para esse risco. Nas edições anteriores, esses percentuais foram de 25,4%, 23,2% e 16,3%. Ao serem analisados os dados da pesquisa desta semana sobre a falta desses medicamentos por porte das cidades, pode-se identificar que esse risco atinge especialmente os médios municípios.

Leia Também:  O programa do Google que diagnostica câncer de pulmão 'com mais eficiência que médicos'

Vacinas

O levantamento também indicou que, nesta semana, 14,8% (462) dos municípios responderam que ficaram sem imunizante. Desse total, 304 relataram terem ficado sem vacinas para aplicar a primeira dose e 257, para a segunda. A CoronaVac ainda é a vacina com maior necessidade para completar o esquema vacinal da população, relatada por 75,7% dos gestores que apontaram a falta.

Edição: Kelly Oliveira

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Consórcio Nordeste suspende compra da vacina Sputnik V

Publicados

em


O Consórcio Nordeste, que reúne governadores da região, anunciou hoje (5) que suspendeu a compra de 37 milhões de doses da vacina contra a covid-19 Sputnik V, da Rússia. O contrato só será retomado caso haja autorização para o uso do imunizante pelas autoridades sanitárias.

Segundo o presidente do consórcio, governador do Piauí, Wellington Dias, a decisão foi tomada por conta dos condicionantes impostos pela Anvisa e pela não inclusão do imunizante no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

“É lamentável, o Brasil vive uma situação com alta mortalidade, mais de mil óbitos por dia. Temos vacinas disponíveis, mas impedidas de entrar no Brasil devido uma decisão da Anvisa que faz uma alteração no padrão de teste junto com a não inclusão do Ministério da Saúde no plano nacional de vacinação e a falta da licença de importação, tivemos a suspensão da entrega da vacina até que se tenha uma autorização do uso do imunizante no Brasil”, disse Dias.

A Anvisa liberou a importação em junho. Mas apontou uma série de exigências em razão da falta de documentos e de possíveis riscos identificados no imunizante. Entre os condicionantes estão limites para os lotes e testagem das vacinas para averiguar determinados aspectos, como riscos decorrentes do uso da tecnologia de vírus inativado.

Leia Também:  Crianças com menos 1 ano devem receber vacina contra o sarampo para viajar, diz ministério

A Anvisa também condicionou a aplicação das vacinas à autorização pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). Os estados cuja importação foi autorizada também precisam realizar estudos de efetividade.

A Agência Brasil entrou em contato com a Anvisa e com o Ministério da Saúde e aguarda retorno.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA