Saúde

Endocrinologistas lançam campanha de conscientização sobre a obesidade

Publicados

em


A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) iniciou hoje (4), quando se celebra o Dia Mundial da Obesidade, campanha nas redes sociais de conscientização sobre a doença. Segundo a entidade, a obesidade é prevalente, crônica e recidivante e pode provocar outras doenças associadas ao excesso de peso. Entre elas, diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial sistêmica e dislipidemia, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e diversos tipos de câncer. A campanha tem parceria com a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso) e apoio da Federação Mundial de Obesidade

Com o tema Cuidar de Todas as Formas, a campanha alerta que não só o endocrinologista cuida do paciente com obesidade, mas todas as outras especialidades também. “Esses pacientes têm características específicas para desenvolver as doenças que são peculiares”, disse à Agência Brasil a presidente do Departamento de Obesidade da SBEM, Maria Edna de Melo. As principais recomendações da campanha são para reforçar os cuidados com a alimentação e o tratamento da doença com o respeito necessário. As causas que levam uma pessoa a desenvolver a obesidade incluem fatores genéticos, sociais, alimentares e falta de atividade física.

Relatório

Relatório lançado hoje pela Federação Mundial de Obesidade mostra o impacto da obesidade na população e o desfecho pela covid-19. Os dados, inéditos, são oriundos de um cruzamento feito pela Johns Hopkins University que relacionam a obesidade e as mortes por covid-19 nos países. “O dado principal desse levantamento é que aqueles países que têm pessoas com mais excesso de peso vão ter um aumento dos casos de morte por covid”, informou Maria Edna.

Leia Também:  ‘Dor deve ser tratada como doença, e não sintoma’, diz especialista

A SBEM já tem uma relação bem estabelecida entre a obesidade e o H1N1 com desfecho grave.  “E da mesma forma que eles têm predisposição para quadros graves para H1N1, a gente também tem visto essa associação com o Sars cov 2”, relatou a médica.

De acordo com o levantamento da Federação Mundial de Obesidade, países como Inglaterra e Estados Unidos ficam com mortalidade de pessoas obesas por covid-19 em torno de 160 em cada 100 mil indivíduos. No Brasil, onde há um percentual de pessoas com excesso de peso inferior aos desses dois países, a mortalidade por covid-19 ficou em 93,07 por 100 mil habitantes.

Os dados englobam todo o período da pandemia do novo coronavírus até janeiro deste ano. “A gente tem um valor que chama bastante atenção. Não é tão alto, até porque os nossos casos não são tão prevalentes como na Inglaterra e Estados Unidos, mas os nossos acabam sendo muito mais altos do que, por exemplo, no Vietnã, que tem 18,3% de pessoas com excesso de peso e mortalidade por covid de 0,04 por 100 mil habitantes”, informou.

Leia Também:  MS cria comitê técnico para acompanhar a vacina de Oxford

IBGE

A Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2019, registrou que 60,3% dos adultos brasileiros estão com excesso de peso e 25,9% têm diagnóstico de obesidade. Em crianças e adolescentes, os números mostram que, atualmente, 19,4% dos menores entre 15 e 17 anos de idade estão acima do peso e 6,9% têm obesidade.

Lives

A campanha da SBEM de alerta sobre a obesidade prevê divulgação de uma série de lives no Instagram da entidade sobre vários temas relacionados a essa doença, entre as quais obesidade e atividade física, obesidade infantil, obesidade e covid-19, obesidade e hormônios, obesidade e cirurgia bariátrica.

Nos próximos dias, será também divulgado manifesto com participação de associações e sociedades médicas de várias especialidades enfatizando a importância de cuidados específicos para as pessoas com excesso de peso.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Rio vacina hoje professores da rede pública com 55 anos ou mais

Publicados

em


O município do Rio de Janeiro vai começar hoje (17) a vacinar profissionais de educação que estão na ativa em unidades públicas da rede de educação básica localizadas na capital. Neste sábado, só podem tomar a vacina aqueles tiverem 55 anos de idade ou mais.

Estão incluídos profissionais que trabalham na Secretaria Municipal de Educação, na Secretaria Estadual de Educação, na Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), no Colégio de Aplicação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e em instituições federais.

Para receber a vacina, esses profissionais deverão apresentar documento oficial com foto e os dois últimos contracheques. A Secretaria Municipal de Saúde orienta aqueles que não tenham contracheque com o nome da unidade escolar ou outra forma de comprovar a atuação na escola a providenciar uma declaração da instituição de ensino e comparecer para se imunizar no dia 24 de abril. A vacinação dos profissionais de educação seguirá no sábado que vem, quando poderão se vacinar aqueles que têm 50 anos ou mais.

Leia Também:  Anvisa prorroga prazo para Butantan apresentar estudos sobre Coronavac

Outros públicos-alvos

O cronograma de vacinação do município do Rio também prevê que podem se vacinar neste sábado pessoas de qualquer categoria profissional com 62 anos de idade ou mais, pessoas que devem receber a segunda dose da vacina e profissionais de saúde na ativa com 50 anos ou mais.

Os profissionais de saúde devem comparecer aos postos de vacinação entre 13h e 17h, com documento original com foto e comprovante do conselho de classe. Mais orientações podem ser obtidas no site oficial da vacinação no Rio de Janeiro.

A programação da prefeitura do Rio alcançará na semana que vem todas as faixas etárias da população idosa na cidade, com a aplicação da primeira dose em pessoas de 60 e 61 anos entre a próxima segunda-feira e o próximo sábado.

Na semana seguinte, que se inicia em 26 de abril, terá início a vacinação de grupos prioritários com menos de 60 anos, o que inclui pessoas com comorbidades ou deficiências permanentes e profissionais da saúde, educação, segurança pública e limpeza urbana que estejam na ativa.

Leia Também:  MS cria comitê técnico para acompanhar a vacina de Oxford

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA