Saúde

DF começa a vacinar adolescentes de 17 anos contra covid-19

Publicados

em


O Distrito Federal começa a vacinar hoje (24) os adolescentes com 17 anos sem comorbidades. Até ontem (23), a capital estava imunizando somente pessoas com 18 anos ou mais e com 12 a 17 anos com comorbidades, autismo e síndrome de Down.

Neste grupo de 17 anos, como apenas a vacina da Pfizer/BioNTech foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) esse será o imunizante disponibilizado nos postos de vacinação destinados pela Secretaria de Saúde. 

“Para evitar escolha de vacina por pessoas mais velhas, haverá 30 pontos exclusivos para pessoas com 17 anos”, informou o secretário da Casa Civil do DF, Gustavo Rocha, em entrevista coletiva ontem (23).

A decisão foi tomada, segundo Rocha, para evitar a escolha de vacinas. Se os pontos atendessem adolescentes e jovens e adultos, poderia haver uma opção por determinadas marcas.

Antecipação

O secretário da Casa Civil informou que com a chegada de novas doses da Pfizer/BioNTech terá início, a partir de quinta-feira (26), a vacinação para quem tem segunda dose marcada até o dia 3 de setembro.

A antecipação da vacina Oxford/AstraZeneca foi iniciada na semana passada, incluindo as pessoas com retorno para a segunda dose previsto até o dia 31 de agosto.

Leia Também:  Música ajuda a ativar as habilidades físicas e mentais e traz benefícios para o cérebro dos idosos

Decreto

Um novo decreto flexibilizou as regras para delivery e drive-thru. Até ontem, todos os estabelecimentos só podiam funcionar até a meia-noite, com esses serviços podendo ser estendidos até a 1h hora, com comanda emitida até a 0h. 

A partir de hoje, os estabelecimentos podem funcionar após meia-noite para as atividades de delivery e drive-thru. A limitação de horário para esses serviços foi extinta, podendo o comércio operar entregas e coleta de refeições ao longo da madrugada.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: Brasil registra 259 mortes e 83,3 mil novos casos

Publicados

em


O número de mortes por covid-19 no Brasil subiu para 623.356. Em 24 horas, foram registradas 259 mortes. Segundo os números publicados pelo Ministério da Saúde na noite de hoje (24), 83.340 novos casos de covid-19 foram diagnosticados em 24 horas. O país soma 24.127.595 ocorrências da doença desde o início da pandemia.

Boletim do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia no Brasil. Boletim do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia no Brasil.

Boletim do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia no Brasil. – Ministério da Saúde

O informe sobre a variante Ômicron registrou 1.563 diagnósticos positivos. Outros 1.079 casos são investigados. Já foram apurados dois óbitos em decorrência da Ômicron no Brasil, outros dois estão sob avaliação das autoridades de saúde.

Boletim do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia no Brasil. Boletim do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia no Brasil.

Boletim do Ministério da Saúde atualiza os números da variante Ômicron no Brasil. – Ministério da Saúde

Há ainda 3.071 mortes por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em investigação. Os óbitos pela síndrome somam 149 nos últimos três dias.

Leia Também:  UFMG: pesquisa mostra aprofundamento de desigualdades na infância

O boletim também mostra que a taxa de casos ativos aumentou e a taxa de recuperação caiu. No momento, 90,5% do total de infectados são considerados livres de sintomas. A taxa chegou a 96,2% em dezembro, antes da chegada da Ômicron ao Brasil.

Estados

O ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (156.551), Rio de Janeiro (69.689), Minas Gerais (56.965), Paraná (41.005) e Rio Grande do Sul (36.644). Já as Unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.857), Amapá (2.039), Roraima (2.086) , Tocantins (3.985) e Sergipe (6.075).

Vacinação

O painel de vacinação do Ministério da Saúde registra que 348.298.393 doses de vacinas diversas já foram aplicadas. Destas, 163,1 milhões são referentes à primeira dose, enquanto 150,5 milhões são relativas à segunda dose. As doses de reforço chegaram à 33,95 milhões.

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA