Nacional

Homem ficou 15 anos preso sem ser processado: ‘Quero reencontrar meus filhos’

Publicados

em


source
Homem sai da cadeia após passar 15 anos preso sem ter processo na Justiça
Reprodução

Homem sai da cadeia após passar 15 anos preso sem ter processo na Justiça

O jardineiro Cícero José de Melo ficou 15 anos preso por um crime que não responde na Justiça. Ele foi liberado nesta sexta-feira (9). A prisão aconteceu em 2005, em Juazeiro do Norte, no interior do Ceará, quando foi acusado de tentativa de homicídio.

Ao G1,  o jardineiro disse que agora sonha em reencontrar seus filhos. “Quero reencontrar meus filhos, que ela reconheça o que já fiz por ela e que sou o pai dos filhos dela e não cometi crime”, disse, referindo-se também à ex-companheira e mãe dos filhos.

“Me considero como se eu tivesse sido sequestrado por um crime que eu não cometi nem contra o estado e nem contra a sociedade. Hoje eu fui colocado em liberdade. A doutora do presídio compreendeu o ato injusto que cometeram comigo me mantendo em cárcere. Passei 15 anos preso injustamente e a juíza se sensibilizou e me soltou”, disse Cícero.

Leia Também:  Vereador Jairinho é investigado por agressões a três crianças, diz polícia

O jardineiro disse ao G1  não foi nem pedida a sua identificação quando foi preso em 2005. “Me colocaram dentro da viatura, me fizeram passar vergonha. As pessoas olhando para mim como se eu tivesse cometido crime mesmo. Eu falando que era inocente e eles rindo de mim, rindo da minha cara”, contou.

Ele diz que nunca foi visitado na prisão e que viveu “no abandono”. ” Quem me confortava era Deus e meus parceiros de cela”.

Em nota, o poder judiciário informou que, ao ser comunicado pela unidade prisional sobre a situação de Cícero José de Melo, “realizou, imediatamente, pesquisas em sistemas de dados prisionais a fim de localizar registros processuais sobre a prisão dele. Também encaminhou o ofício, enviado pela Penitenciária Industrial Regional do Cariri, ao Ministério Público para apresentar manifestação sobre o caso.”

Leia Também:  Médico afastado por denúncias de assédio é vacinado contra Covid-19 em BH

“Não sendo encontrados registros nos sistemas que justificassem a prisão, o Juízo da 2ª Vara Criminal de Juazeiro do Norte determinou, nessa quinta-feira, o relaxamento da prisão, com expedição imediata de alvará de soltura, para que fosse posto em liberdade.”

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Nacional

Mulher cola bilhetes racistas na porta de seu apartamento: “Imundos”

Publicados

em


source
Um dos bilhetes racistas escritos por nutricionista de 56 anos na porta de seu apartamento
Reprodução

Um dos bilhetes racistas escritos por nutricionista de 56 anos na porta de seu apartamento

Uma mulher foi denunciada por  racismo após escrever ofensas a moradores do condomínio que vive, em Santos, no litoral de São Paulo. A mulher, de 56 anos, colou papeis na porta de sua casa se referindo a negros como pessoas de “espírito imundo”, “imundos” e “escória da sociedade”. As informações são do G1.

Ela chegou a ser presa na madruga da última quarta-feira (5) após moradores registrarem boletim de ocorrência por injúria racial, dano e ameaça contra a suspeita, Entretanto, foi liberada após o pagamento da fiança.

Segundo disse o zelador do prédio, Arilton de Souza, ao G1, as ofensas racistas da moradora não são novidade. O próprio zelador já registrou B.O. contra ela em dezembro do ano passado, também por injúria racial.

“Já faz um tempo que sempre que ela me vê pelo condomínio fazendo meu serviço já muda a cara. Questiona o que estou fazendo e me chama de ‘negro’, ‘marginal’, ‘preto encardido'”, disse.

Leia Também:  Mulher é morta com seis perfurações no corpo pelo ex-marido no Rio

Eu tenho até um boletim de ocorrência de um dia que estava saindo do trabalho, quando ela saiu de um táxi, me abordou e me agrediu. Nesse dia ela me ofendeu com diferentes xingamentos. Diversas vezes tentava me tratar como se eu fosse um escravo”, continua Arilton.

Você viu?

Segundo relata o zelador, em março deste ano, quando tirava o lixo do condomínio, foi ofendido mais uma vez com palavras de cunho racista. “Nesse dia, após me ofender, ela subiu até o apartamento dela e pegou uma garrafa e voltou para ver onde eu estava. Como a moça da portaria disse que não sabia onde eu estava, ela [nutricionista] a xingou e jogou a garrafa no vidro de onde fica a portaria. Foi registrado outro boletim contra ela na ocasião, por injúria e lesão corporal”, diz.

“É humilhante. A gente está no ambiente de trabalho, fazendo nosso serviço honesto e passa por essas situações. Mas tentei ter a postura certa e registrei boletim de ocorrência, porque não podemos aceitar esse tipo de crime calados. Mas, mesmo denunciando, ela segue solta. Então isso faz com que nós [negros] nos sintamos oprimidos e impotentes.”

Um novo boletim de ocorrência foi feito contra a moradora neste sábado (8). O crime segue sendo investigado pelo 7º DP de Santos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA