Mundo

Israel: países europeus criticam construção de casas na Cisjordânia

Publicados

em

source
Israel autorizou construção de casas em assentamento na Cisjordânia ocupada
Flickr

Israel autorizou construção de casas em assentamento na Cisjordânia ocupada

Quinze países europeus, incluindo Alemanha, França e Itália, pediram a Israel nesta sexta-feira que desista da aprovação da construção de mais de 4 mil casas em assentamentos na Cisjordânia ocupada , um dia após a informação ser divulgada.

“Estamos profundamente preocupados com a decisão do Conselho Superior de Planejamento de Israel de avançar no plano de construir mais de 4 mil casas na Cisjordânia. Pedimos às autoridades israelenses que reconsiderem esta decisão”, escreveram os ministros das Relações Exteriores dos 15 países, em um comunicado.

“As novas unidades habitacionais constituiriam um obstáculo adicional para a solução de dois Estados”, advertem os chefes da diplomacia de França, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, Polônia, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Malta , Holanda, Noruega, Espanha e Suécia.

A decisão do governo israelense, divulgada pela ONG Paz Agora, que defende uma solução de dois Estados e monitora o avanço dos assentamentos, aprovou a construção de 2.791 casas e deu um aceno inicial a outras 1.636.

Leia Também:  Putin diz que sanções europeias contra Rússia são 'suicídio econômico'

Os países europeus também pedem aos israelenses “que não realizem as demolições, ou as expulsões, planejadas, particularmente em Masafer Yatta”, referindo-se ao local que foi considerado pela Suprema Corte israelense um campo de treinamento do Exército israelense, abrindo caminho para a expulsão de pelo menos mil palestinos, uma das maiores decisões de despejo desde o início da ocupação israelense de territórios palestinos, em 1967.


Na quinta-feira, ONGs israelenses já haviam criticado a rejeição do tribunal às petições de palestinos ameaçados de expulsão no Sul da Cisjordânia ocupada.

Na quarta, militares israelenses demoliram ao menos 18 edifícios e construções no local.

Os signatários do comunicado desta sexta disseram que “as colônias israelenses constituem claramente uma violação do direito internacional e impedem uma paz justa, duradoura e global entre israelenses e palestinos”.

Leia Também:  Países europeus passam a recomendar 4ª dose para maiores de 80 anos

A postura dessas nações europeia surge em um momento de escalada de tensão, agravada pela morte da jornalista Shireen Abu Akleh na quarta, enquanto cobria uma operação do Exército na Cisjordânia. Nesta sexta, uma multidão no funeral da repórter da al-Jazeera foi reprimida pela polícia, com bombas de efeito moral e golpes de cassetete.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Mundo

Coreia do Norte diz que situação da covid-19 está “sob controle”

Publicados

em

A Coreia do Norte disse que está registrando tendência de queda em seu primeiro surto confirmado de covid-19, relatando nesta terça-feira (24) menos de 200 mil novos pacientes com sintomas de febre. pelo terceiro dia consecutivo. 

A onda de covid, declarada em 12 de maio, alimentou preocupações com a falta de vacinas, infraestrutura médica inadequada e uma potencial crise alimentar no país, de 25 milhões de habitantes.

Pelo menos 134.510 pessoas apresentavam sintomas de febre na noite de ontem, elevando o número total de casos para 2,95 milhões desde o final de abril, informou a agência de notícias oficial KCNA. O número de mortos chegou a 68.

A KCNA disse que o país está registrando “sucesso” na luta contra o surto de covid.

“Poucos dias após a ativação do sistema máximo de prevenção de epidemias de emergência, as taxas de morbidade e mortalidade em todo o país diminuíram drasticamente, e o número de pessoas recuperadas aumentou, resultando em  conter e controlar a propagação da doença pandêmica e manter situação estável”, afirmou a KCNA.

Leia Também:  Brasileiros denunciam xenofobia e racismo em universidade de Portugal

A Coreia do Norte disse que está expandindo a produção de medicamentos essenciais, mas não detalhou exatamente quais tipos estão sendo produzidos.

Aparentemente privada de suprimentos de teste, a Coreia do Norte não confirmou o número total de pessoas com teste positivo para o coronavírus. Em vez disso, as autoridades de saúde relatam o número de sintomas de febre, dificultando a avaliação da escala da onda de Covid, segundo especialistas.

A Coreia do Sul e os Estados Unidos propuseram ajudar a Coreia do Norte a combater a pandemia, inclusive com vacinas, mas Pyongyang não respondeu à oferta.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA