Mundo

Crise entre EUA e China: Casa Branca convoca embaixador chinês

Publicados

em

JOE BIDEN E XI JINPING
Montagem iG – 05.08.2022

JOE BIDEN E XI JINPING

A visita da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi , a Taiwan durante essa semana continua a ter reflexos nas relações diplomáticas entre norte-americanos e chineses.

Nesta sexta-feira (5), a Casa Branca convocou o embaixador chinês em Washington, Qin Gang, para condenar formalmente a escalada das ações de Pequim contra o território, com uma intensificação dos exercícios militares, e para reafirmar que os EUA não querem uma crise na região.

A notícia foi confirmada pelo porta-voz do Departamento de Defesa, John Kirby, que falou em “ações provocatórias”.

Por outro lado, o Ministério das Relações Exteriores da China anunciou uma série de contramedidas por conta da visita de Pelosi, entre elas, estão a suspensão dos vários mecanismos de comunicação e de cooperação China-EUA, incluindo o diálogo entre líderes militares, e as conversas sobre os mecanismos de segurança marítima. Também foram incluídas suspensões nos debates de cooperação antidrogas, crimes transnacionais e migração ilegal.

Em sua coletiva diária com a imprensa, uma das porta-vozes da pasta, Hua Chunyng, disse que a questão que envolve Taiwan “não é uma questão democrática, mas uma questão de princípios importante sobre soberania e integridade territorial da China”.

Novamente, o governo de Pequim afirmou que a situação atual “foi inteiramente provocada por Pelosi e pelos políticos norte-americanos”.

Leia Também:  Vídeo: céu fica vermelho em Zhoushan, na China, e assusta moradores

“A parte norte-americana deve pensar de maneira diferente. Se um estado qualquer nos EUA busca se separar do país e se afirmar como nação, enquanto um outro país continua a fornecer armas e apoio político, o governo e o povo dos EUA podem permitir isso?”, disse Hua, sem citar, porém, que Pequim nunca controlou politicamente Taiwan.

Além disso, o governo chinês anunciou sanções diretas contra Pelosi e seus familiares, sem especificar as medidas. Para Pequim, em nota oficial, a visita da democrata “interferiu gravemente nos assuntos internos da China” e “ameaçou gravemente a soberania e a integridade territorial” do país.

Exercícios militares

Envolvido diretamente na polêmica, o Ministério da Defesa de Taiwan publicou mais um relatório sobre os exercícios militares chineses, que circundam toda a ilha, e afirmou que os aviões e navios de guerra atravessaram a “linha que divide” o estreito entre os dois territórios.

Para a pasta, as operações são “altamente provocatórias” e a quantidade de veículos militares que violaram a área “continua a aumentar”.

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, chamou de “irresponsável” as manobras militares na região por conta da visita de Pelosi.

Em um vídeo de cerca de quatro minutos, Tsai pediu que Pequim aja com mais “autocontrole” e convidou Pequim para o diálogo.

Leia Também:  Brasileira presa na Tailândia segue sem saber sobre morte de sua mãe

“Nos esforcemos em manter o status quo através do estreito com uma mente sempre aberta para diálogos construtivos”, acrescentou.

Reações

Nesta sexta-feira, no segundo dia de reuniões da Asean, o secretário norte-americano de Estado, Antony Blinken, voltou a dizer que as ações militares da China “são clamorosamente provocatórias” e que os EUA não querem nenhuma mudança no status quo de Taiwan.

Já o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a visita de Pelosi foi uma “provocação” que “não pode ficar sem consequências” e que a China “está adotando legitimamente uma ação para proteger sua soberania”.

A empresa aérea Singapore Airlines anunciou nesta sexta o cancelamento de seus voos de e para Taiwan por conta das “crescentes restrições do espaço aéreo” provocadas pelos exercícios chineses.

“A segurança dos nossos passageiros e dos nossos funcionários são nossa prioridade”, informou a companhia ao portal “CNA Asia”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Mundo

Iraniano é processado por planejar assassinato de ex-assessor de Trump

Publicados

em

Iraniano ofereceu US$ 300 mil para quem assassinasse Bolton
Divulgação/Official White House/Shealah Craighead

Iraniano ofereceu US$ 300 mil para quem assassinasse Bolton

Os Estados Unidos abriram um processo formal contra o iraniano Shahram Poursafi, um dos chefes da Guarda Revolucionária, por planejar matar o ex-assessor de Segurança Nacional do então presidente Donald Trump , John Bolton, informou o Departamento da Justiça nesta quarta-feira (10).

A ação seria uma resposta ao assassinato, em janeiro de 2020, do general Qassem Soleimani, um dos homens mais poderosos do Irã e que guiava a Força Al Quds, unidade especial da Guarda.

Poursafi, também conhecido como Mehdi Rezayi, tem 45 anos, e ofereceu uma recompensa de US$ 300 mil para quem assassinasse Bolton em Washington ou Maryland. O paradeiro do iraniano, porém, é desconhecido.

Conforme o Departamento de Justiça, o crime deveria ter ocorrido em outubro de 2021.

O iraniano teria primeiro solicitado fotos da rotina de Bolton nas duas cidades e depois contatado uma pessoa não identificada nos EUA para achar um mercenário que cometesse o crime. Além disso, em uma das conversas obtidas nas investigações, Poursafi teria dito a esse intermediário que pagaria ainda US$ 1 milhão para um “trabalho adicional”.

Leia Também:  Presidente do Peru suspende toque de recolher em Lima

O Departamento de Justiça, no entanto, não informou quem seria a segunda pessoa e que o nome está em uma investigação confidencial do FBI. Conforme fontes da Inteligência, essa pessoa seria o ex-secretário de Estado Mike Pompeo.

O possível assassino teria solicitado uma antecipação de parte do valor, mas só recebeu US$ 100, em criptomoedas, em abril deste ano. Por isso, Poursafi responderá por planejar um assassinato (pena de até 10 anos) e por fornecer material para um complô de assassinato internacional (15 anos de detenção).

“Essa não é a primeira vez que descobrimos um complô do Irã para vingar-se em solo norte-americano. Continuaremos a trabalhar incessantemente para expor e tentar parar essas tentativas”, disse o vice-procurador-geral Matthew Olsen.

Já o conselheiro para Segurança Nacional, Jake Sullivan, afirmou que o governo de Joe Biden “vai proteger todos os norte-americanos das ameaças de violência e de terrorismo”. “Se o Irã atacar qualquer um de nossos cidadãos, ele enfrentará graves consequências”, acrescentou.

Leia Também:  Ministro italiano diz que aliança de democracias deve reagir a Bucha

Bolton é considerado um dos mais importantes expoentes entre os republicanos e era um dos principais opositores ao acordo nuclear assinado com o Irã em 2015 – do qual Trump tirou os EUA em 2018. Mas, além de atuar com o ex-presidente, Bolton teve passagens pelo Departamento de Justiça e de Estado, além de ter cargos de alto nível em todos os governos republicanos desde a década de 1980.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA