Esportes

Brasileiros levam prata e bronze em Mundial de Paracanoagem no Canada

Publicados

em

O Brasil subiu duas vezes ao pódio nesta sexta-feira (5) no Mundial de Paracanoagem em Halifax (Canadá).  Vice-campeão olímpico em Tóquio, Luis Carlos Cardoso voltou a conquistar prata nos 200 metros KL1 (prova em caiaque com atletas que usam somente os braços).  E teve também pódio feminino com Mari Santilli, que brilhou com o bronze em sua estreia na disputa dos 200m VL3 (canoa havaiana na qual o competidor usa braços, o tronco e as pernas na remada).

Assim como nos Jogos de Tóquio, o piauiense Luís Carlos deixou escapara o ouro para o mesmo adversário: o húngaro Peter Kiss que cruzou a linha de chegada em 48s40. O brasileiro chegou em segundo lugar (49s14) e o bronze ficou com francês Remy Bolle (50s98).

“Estou feliz demais. Faz 10 anos que estou na canoagem, todo ano conquistou uma medalha e este ano não poderia ser diferente. Quase peguei o primeiro lugar, mas vou trabalhar cada vez mais para garantir esse primeiro lugar aí”, disse Luís Carlos,  logo após a prova.

Mari Santilli conquista bronze no Mundial de Paracanoagem 2022 Mari Santilli conquista bronze no Mundial de Paracanoagem 2022

Logo na estreia na categoria VL3, Mari Santilli garantiu o bronze no Mundial de Paracanoagem, ficando atrás apenas das experiente britânicas Charlote Henshaw (ouro) e Hope Gordon (prata) –  Fabio Canhete/CBCa/Direitos Reservados

Leia Também:  Brasil celebra Dia Mundial do Chocolate com 7º lugar em exportação

A paranaense Mari Santilli também comemorou muito o bronze, sua primeira medalha na canoa havaiana. Ela completou a prova nos 200m VL3 na terceira posição,  em 1m03s97, atrás das experientes britânicas Charlote Henshaw (59s58) medalha de ouro, e Hope Gordon (1m00s84) que ficou com a prata.

“Eu sou categoria baby, estreia, elas são mais experientes, então 2023 que me aguarde”, projetou Santilli, que volta a competir às 10h52 deste sábado (6), na final dos 200m do caiaque (KL3).

Fonte: EBC Esportes

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Esportes

Jogo histórico: Palmeiras vence Atlético-MG nos pênaltis, após jogar com dois jogadores expulsos

Publicados

em

Foi heroico, histórico e improvável! Após empatarem em 2 a 2 no Mineirão na última quarta-feira (03.10), pelo jogo de ida das quartas de final da Libertadores 2022, sendo que o Verdão saiu atrás no placar por 2 a 0 e buscou o empate, agora os times empataram no Allianz Parque e, diferentemente da edição anterior, este ano a Libertadores não prevê gol qualificado em seu regulamento. Com isso, as equipes foram para os penais e, nas cobranças alternadas, Weverton defendeu pênalti de Rubens e o Verdão venceu por 6 a 5 ao converter com Murilo na cobrança seguinte.

O detalhe é que o Verdão jogou praticamente com dois atletas a menos durante boa parte da partida: sem Danilo, expulso no início do primeiro tempo, e sem Scarpa, expulso aos 36 do segundo. Foi uma classificação na base da superação.

Com o resultado, o Palmeiras conquistou hoje o seu maior número de jogos invictos pela Libertadores independentemente do mando de campo. São agora 18 partidas invictas consecutivas no geral (13 vitórias e 5 empates), e esta marca também representa a maior série invicta de um time me toda a história da Libertadores – igualou justamente os 18 que o próprio Atlético-MG impôs, curiosamente, ainda nesta edição de 2022, marca interrompida alguns jogos atrás.

Nesta edição (somando algumas que se arrastavam desde a temporada 2021), o Palmeiras superou as 11 partidas seguidas sem perder na edição de 2020 (até então o recorde máximo do clube na competição). Esta marca atual (18 jogos invictos) vem sendo construída desde a edição campeã de 2021, quando sofreu seu último revés pela Libertadores no dia 18 de maio daquele ano para o Defensa y Justicia-ARG, em casa, por 4 a 3. Desde então, foram nove partidas invictas até o fim da edição de 2021, e mais nove na atual.

De quebra, o Palmeiras também obteve a sua maior série invicta jogando no Brasil, pois desde que começou a disputar a Libertadores, em 1961, o número máximo de jogos invictos que o Alviverde atingiu atuando em território brasileiro (seja como mandante ou visitante) foi de 11 partidas (9 vitórias e 2 empates), entre 11 de maio de 1961 (justamente a data de seu primeiro duelo disputado no Brasil pela competição) e 7 de maio de 1968. Essa marca foi repetida na semana passada, contra o Atlético, no jogo de ida (2 a 2 no Mineirão). E hoje, foi superada: ou seja, o Palmeiras chegou ao inédito 12º jogo seguido sem perder pela competição no seu país pela Libertadores após 54 anos.

Leia Também:  Câmara dos Deputados se ilumina de verde no Dia Mundial de Conscientização sobre a Hipofosfatemia

Um tabu também foi quebrado! Com a vitória nos pênaltis, o Palmeiras interrompeu uma incômoda estatística de não vencer partidas das quais ia às penalidades das últimas cinco disputas. Foi assim desde que disputou o Mundial de Clubes de 2020, contra o Ah Ahly-EGI pelo 3° lugar (perdeu de 3 a 2). Depois, foi superado pelo Flamengo na decisão da Supercopa do Brasil 2021, por 6 a 5; depois, pelo Defensa y Justicia-ARG por 4 a 3, na final da Recopa Sul-Americana; em seguida, pelo CRB, por 4 a 3, pela Copa do Brasil 2021; e mais recentemente contra o São Paulo, pela Copa do Brasil de 2022 – oitavas de final (4 a 3).

Com esse avanço contra o Galo, o Palmeiras figura na penúltima etapa do torneio pela décima vez em sua história. As nove vezes anteriores em que já foi semifinalista foram nas edições de 1961 (avançou), 1968 (avançou), 1971 (eliminado), 1999 (avançou), 2000 (avançou), 2001 (eliminado), 2018 (eliminado), 2020 (avançou) e 2021 (avançou). Vale ressaltar, entretanto, que, na edição de 1971, a fase semifinal disputada foi via fase classificatória (triangular final) que valia vaga na decisão ao melhor dos três clubes ao final dos confrontos todos contra todos (ida e volta).

E após o emocionante jogo desta noite, contra brasileiros na Libertadores, especificamente, o Verdão melhorou ainda mais o seu desempenho. Em 53 jogos disputados neste cenário, são 18 vitórias, agora 15 empates e 20 derrotas (70 gols marcados e os mesmos 70 sofridos). Mas em número de decisões ante seus compatriotas (ou seja, englobando todas as vezes em que alguém passou de fase, ficou pelo caminho, conquistou o título ou até mesmo ficou com o vice), o Palmeiras é superior: agora, em 17 disputas, venceu 11 e perdeu 6.

Leia Também:  Datafolha: 82% dos brasileiros dizem confiar nas urnas eletrônicas

As vitórias foram em 1999 (oitavas e quartas, contra o Vasco e Corinthians), em 2000 (semi, contra o Corinthians), em 2001, oitavas e quartas (contra São Caetano e Cruzeiro), em 2009 (nas oitavas, contra o Sport), e por último, o Alviverde vem de cinco vitórias seguidas entre as edições de 2020 e 2022 (Santos, no jogo do título da final de 2020; e em 2021, quartas, semi e final, respectivamente contra São Paulo, Atlético-MG, Flamengo; e agora as oitavas contra o Galo).

PALMEIRAS DISPUTOU 6 DUELOS DE MATA-MATA CONTRA O GALO E VENCEU 5 DELES!

Os duelos decisivos disputados entre as duas equipes aconteceram em 1996 (oitavas da Copa do Brasil), 2000 (semifinais da Copa Mercosul), 2010 (quartas de final da Copa Sul-Americana), 2014 (oitavas da Copa do Brasil), 2021 (semifinais da Libertadores), 2022 (quartas da Libertadores). Dessas todas, a única vez que o rival levou a melhor foi na fase das oitavas de final da Copa do Brasil de 2014.

FICHA TÉCNICA: 

PALMEIRAS 0 x 0 ATLÉTICO-MG 

Competição: Copa Libertadores, jogo de volta das quartas de final 

Data e hora: 10 de agosto de 2022 (quarta-feira), às 21h30 (de Brasília) Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP) 

Árbitro: Wilmar Roldan (COL) 

Auxiliares: Alexander Guzmán (COL) e Wilmar Navarro (COL) 

VAR: Julio Bascuñan (CHI) 

Cartões amarelos: Gómez e Dudu (PAL); Zaracho, Arana e Nathan Silva (CAM) 

Cartão vermelho: Danilo e Gustavo Scarpa (PAL); Vargas (CAM) PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha (Mayke, aos 43′ do 2º); Gómez, Murilo e Piquerez; Danilo, Zé Rafael, Raphael Veiga e Scarpa; Dudu (Luan, aos 43′ do 2º) e Rony. Técnico: Abel Ferreira 

ATLÉTICO-MG: Everson; Mariano, Nathan Silva, Junior Alonso e Guilherme Arana (Rubens, aos 28′ do 2º); Allan, Jair e Zaracho (Eduardo Sasha, aos 28′ do 2º); Ademir (Nacho Fernández, aos 8′ do 2º), Keno (Vargas, aos 34′ do 2º) e Hulk. Técnico: Cuca.

Fonte: Agência Esporte

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA