Economia

Dia do Café: produto fica amargo com preço 70% mais caro este ano

Publicados

em

source
Café ficou mais amargo: preços subiram 68% em 12 meses
FreePik

Café ficou mais amargo: preços subiram 68% em 12 meses

Nessa terça-feira (24), comemora-se o Dia Nacional do Café no Brasil, mas, as notícias não são as melhores para os amantes do “pretinho”: o produto, tão queridinho na casa dos brasileiros, teve um aumento de preço fortíssimo, principalmente em sua modalidade Torrado, Moído e em Grãos (+68%) até abril deste ano, quando comparamos com 2021. Os dados são do estudo mais recente da Scanntech, empresa de inteligência de mercado que acompanha mais de 27 mil pontos de venda do canal alimentar. 

Logo depois do Café Moído, a categoria com mais aumento de preço é o Açúcar (+28%), que pode acabar amargando cafézinhos por aí. Se essa nova realidade já levou o café a retrair o consumo (-6% em unidades), apesar da sua alta popularidade, o movimento não foi diferente com o açúcar (-9% em unidades), que teve uma diminuição de consumo ainda maior diante dos preços elevados nas prateleiras.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Se em 2020 a bola da vez foi o arroz, em 2021 foi a vez do café, e de acordo com o estudo, o valor deve continuar subindo. “Mesmo com aumentos tão fortes do preço nos supermercados, vemos na análise que o preço da saca de grãos verdes já teve um aumento ainda mais agressivo nestes últimos 2 anos, indicando que os preços nas gôndolas ainda não chegaram ao seu limite e isso é bastante preocupante, já que vimos que quando cafés torrados, moídos e em grãos ultrapassam a marca dos R$ 25/Kg é quando a curva de consumo sofre a maior desaceleração”, comenta Priscila Ariani, Diretora da Scanntech, responsável pela análise.

Leia Também:  Cigarro eletrônico: Anvisa começa a receber informações sobre produto

A retração do consumo do café foi registrada a partir de agosto de 2021, enquanto o preço, mesmo depois disso, continuou a subir. Essa tendência prova que o faturamento do café vem sendo baseado no aumento dos preços e não de consumo. O café Torrado e Moído e Grãos (TM&G), já representa 82% do faturamento da categoria em 2022 até abril e é o grande vilão em preços. Quando analisamos os valores dos segmentos por quilo (R$/KG), o café TM&G chega a alcançar o preço médio de R$ 33,31.

Já o café em cápsulas que era a estrela do segmento por oferecer praticidade e muita margem ao varejo, mesmo tendo menor aumento de preço, em março também já apresentava maior retração em volume (-11%) com a volta ao trabalho presencial e a redução do consumo deste tipo de cafés em casa. A única categoria que registrou crescimento nas vendas em unidades foi a do café solúvel (+2%), coincidentemente a que sofreu aumento de preço menos expressivo (+27%).

O consumidor brasileiro tem optado por comprar café TM&G em embalagens menores de 250g ao invés de 500g. No Nordeste, as marcas regionais, que são em média 14% mais baratas que as nacionais, já tinham uma presença forte antes mesmo da crise, mas elas têm ganhado mais espaço nos carrinhos do consumidor nas outras regiões do país, mesmo aumentando seus preços de forma ainda mais agressiva que as marcas nacionais (+83% até março).

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

PPSA registra arrecadação recorde para a União

Publicados

em

Nos seis primeiros meses deste ano, a Pré-Sal Petróleo (PPSA) arrecadou R$ 1,23 bilhão com a comercialização da parcela de petróleo e gás de direito da União em contratos de partilha de produção.

Segundo informou a empresa, hoje (27), no Rio de Janeiro, o montante é recorde desde a sua criação e supera em 1% o valor arrecadado no ano passado (R$ 1,22 bilhão).

Criada em novembro de 2013, a Pré-Sal Petróleo atua na gestão dos contratos de partilha de produção, gestão da comercialização de petróleo e gás natural e a representação da União nos acordos de unitização ou individualização.

No primeiro semestre de 2022, foi comercializado o petróleo dos contratos dos campos de pré-sal de Mero, Tupi e Sapinhoá para a Petrobras, que arrematou as cargas em leilão realizado na B3, Bolsa de Valores. Esses campos ficam na Bacia de Santos (SP).

Volume

Até o fim do ano, está prevista a comercialização de 19 cargas de 500 mil barris de petróleo cada. Desse total, sete cargas já foram entregues. Entre janeiro e junho, também foi comercializado o gás natural dos contratos dos campos de pré-sal de Búzios, Sapinhoá e Tupi.

Leia Também:  OLX é considerada responsável por anúncio de produto alimentício não registrado 

Na avaliação da PPSA, o resultado obtido no primeiro semestre deste ano confirma o crescimento esperado para a receita da União com a comercialização de sua parcela nos contratos de partilha de produção de petróleo. Até dezembro próximo, a expectativa é que a arrecadação alcance perto de R$ 4 bilhões. Os recursos são destinados ao Tesouro Nacional.

Desde 2013, a PPSA já arrecadou R$ 5,21 bilhões para a União, dos quais R$ 3,9 bilhões resultaram da comercialização e R$ 1,3 bilhão da Equalização de Gastos e Volumes (EGV), acerto financeiro decorrente dos Acordos de Individualização da Produção de Sapinhoá, Tupi e Tartaruga Verde.

Edição: Kleber Sampaio

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA