Cidades

Operação Tolerância Zero III apreende 4 tratores e aplica R$ 30 milhões em multas

Publicados

em


A terceira fase da Operação Tolerância Zero contra crimes ambientais terminou nesta sexta-feira (16.04) com a apreensão e remoção de 4 tratores, e infratores multados em cerca de R$ 30 milhões. 

A operação é realizada pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) em parceria com as forças de segurança pública por meio da Gerência de Operações Especiais (GOE) e Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope).

Após identificar alteração da vegetação por satélite, equipes fiscalizaram por 10 dias áreas de oito cidades do Norte de Mato Grosso: Colniza, Aripuanã, Nova Bandeirantes, Nova Monte Verde, Apiacas, Peixoto De Azevedo, União Do Sul, Marcelândia. 

Além da apreensão de maquinários e multas, foram embargados 8,2 mil hectares do Bioma Amazônia, em áreas em que foi constatado o desmatamento ilegal. Os crimes foram comunicados imediatamente ao Ministério Público Estadual para a responsabilização. 

Os quatro tratores apreendidos foram removidos ao pátio da Sema e retirados do infratores para evitar a continuidade do crime ambiental. Também foram apreendidas duas motosserras.

Leia Também:  Sine tem 1.444 vagas de emprego disponíveis em Mato Grosso


 

Operação Tolerância Zero

Com o objetivo de reduzir o desmatamento ilegal em Mato Grosso, o Governo do Estado implantou a política da tolerância zero com os crimes ambientais, e está investindo no monitoramento e fiscalização para prevenir as ilicitudes. Ao identificar a alteração de vegetação por imagens de satélite, o Estado avisa por e-mail ao produtor sobre o alerta, e providencia a fiscalização in loco para a penalização do infrator. 

O Estado aplica multas, embarga áreas, e apreende equipamentos e maquinários utilizados na ação criminosa, descapitalizando os infratores para evitar a reincidência. Atualmente, em parceria com o Ministério Público do Estado (MPE), e Ministério Público Federal (MPF), quem desmata ilegalmente responde também nas esferas criminal e civil, além de processo administrativo.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Cidades

Recuperada da Covid-19, tenente-coronel da PM de MT é homenageada pelo filho que a tem como fonte de inspiração

Publicados

em


O estudante Pedro Henrique Beserra de Oliveira, 13 anos, é só orgulho quando fala da mãe, a tenente-coronel da Polícia Militar  Hadassa Suzannah Beserra de Souza. Ele diz que prefere não falar da profissão da mãe com os amigos, especialmente com os quais se relaciona apenas em ambientes extrafamiliar.

Essa opção, explica Pedro Henrique, é mais por segurança mesmo. Entretanto, conta que já percebeu que passa a ser mais respeitado quando os colegas descobrem quem é sua mãe. Quando a veem de farda, então, ficam surpresos e até receosos. Mas, ao contrário do que os colegas imaginam antes de conhecê-la, Pedro Henrique garante que sua mãe é muito legal e, como ele a define, bem tranquila. “Não é nada brava, é mais tranquila que muitas mães de amigos meus que não são policiais”, atesta.

Tímido, Pedro Henrique é de pouca conversa. Mesmo acanhado durante a entrevista, admitiu que não descarta seguir a carreira da mãe. “Não sei ao certo ainda qual profissão escolher, mas pode ser policial militar, sim”, observa.

Leia Também:  Campanha da Seplag alerta para os cuidados da saúde mental e emocional na pandemia

Além de orgulhoso, o adolescente está muito feliz com a recuperação da saúde da mãe. É que a tenente-coronel Hadassa foi diagnosticada com a Covid-19, teve 50% dos pulmões comprometidos pela infecção e passou mais de 10 dias internada em Unidade de Terapia Intensiva(UTI), em Cuiabá.

Aos 37 anos, atleta e com uma saúde que poderia se dizer perfeita, há alguns meses ela se viu à beira da morte. Já está recuperada e voltou ao trabalho, porém ainda trata sequelas cardíacas decorrentes da Covid.

Hadassa conta que enquanto estava internada pensava especialmente no filho. E, diz, ao mesmo tempo em que temia a morte, deixar Pedro Henrique sem mãe, fazia suas orações e agradecia a Deus pelo amor e a saúde do filho e dos pais, Carlos Alberto de Souza Silva, 69, e Giselda Beserra de Souza, 61.

Um mês antes de Hadassa ser internada, os pais dela tiveram Covid. Eles se recuperaram sem a necessidade de internação hospital. A principal preocupação dela era a mãe, que está em tratamento de um câncer, mas dona Giselda surpreendeu a todos apresentando sintomas leves da Covid-19.

Leia Também:  PGE empossa procuradora aprovada em concurso

“Essa pandemia está causando muita dor e sofrimento às famílias. No caso das mães, penso que nenhuma deveria passar pela dor de perder um filho, não é a ordem natural da vida”, avalia Hadassa.

Sobre o filho, a mãe orgulha diz que o apoiará na profissão que ele escolher. Mas, antes que ele escolha, juntos estão conhecendo e discutindo outras carreiras.

Hadassa se recorda que quando decidiu que faria o concurso para oficial da Polícia Militar isso, sim, foi surpresa em sua casa. Carlos Alberto e dona Giselda não esconderam o temor e as preocupações, mas ao final também a apoiaram a filha. “Hoje sei que eles se sentem orgulhosos”, completa.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA