Brasil

Ações de ESG precisam transformar empresas de forma estrutural

Publicados

em

As ações de ESG (práticas ambientais, sociais e de governança) precisam transformar as empresas de forma estrutural, afirma o fundador do Instituto Legado, James Marins.

“Se você quer ter um comportamento ESG, você tem dois momentos para ter esse comportamento: da porta para dentro e da porta para fora. Não adianta você querer vender ESG da porta para fora se você não pratica ESG da porta para dentro”, disse ao palestrar no Viasoft Connect, evento de inovação que acontece em Curitiba.

O Instituto Legado trabalha há dez anos apoiando o crescimento de iniciativas socioambientais em todo o Brasil.

A sigla ESG surgiu em 2004, nas discussões do Pacto Global, uma iniciativa lançada pelo ex-secretário geral das Nações Unidas Kofi Annan para alinhar empresas a princípios na área de direitos humanos, meio ambiente, anticorrupção e trabalho decente.

Marins destaca que as empresas devem ter atenção às aspirações das pessoas mais jovens, seja como clientes, trabalhadores ou investidores. “As novas gerações têm novas demandas. Portanto, o seu consumidor, o seu colaborador, o seu fornecedor, quando ele já vem de uma nova geração, ele tem novos interesses”, diz sobre a atenção voltada aos temas sociais e ambientais.

Leia Também:  Em 10 anos, inteligência artificial pode ter sentimento, diz executivo

Por isso, Marins enfatiza a importância das empresas se estruturarem levando em consideração as demandas atuais. “Dentre os seus colaboradores, quantos deles são negros? Quantas pessoas do sexo feminino estão em cargos de gestão da empresa? Qual é acessibilidade da sua empresa? Quantos cadeirantes você emprega? Você emprega algum programador cego?”, provocou.

Greenwashing

Apesar de essas ideias serem cada vez mais difundidas, o especialista lembrou que, na mesma proporção, tem crescido o número de empresas que tentam disfarçar más práticas. Esse tipo de ação desonesta também são conhecidas por nomes em inglês, como greenwashing – falsas boas práticas no campo ambiental –, blackwashing – falsa política de inclusão racial –, pinkwashing – falsa preocupação com as pautas relacionadas à causa LGBTQIA+.

“Departamento de marketing não pode ter nada a ver com ESG. Departamento de marketing pode bater palmas para o que está sendo feito, mas não pode determinar o que vai acontecer. ESG não é marketing, embora possa ser usado como marketing”, acrescentou o consultor.

Leia Também:  Reino Unido implementa semana de trabalho de 4 dias em 70 empresas

Empresas que recorrem a fraudes em ESG estão, segundo ele, cada vez mais sujeitas a sofrer penalizações de consumidores, investidores e até legais. “Grandes instituições perdendo dinheiro na bolsa por estarem divulgando balanços baseados em ESG, mas que, na verdade, estão escondendo a sua verdadeira prática”, disse

Marins lembrou do caso da Volkswagen que sofreu multas e processos em diversos países, em 2017 e 2018, por ter fraudado os testes de emissão de poluentes. Em 2015, a montadora admitiu ter manipulado os testes de veículos à diesel, fingindo que os carros respeitavam os padrões de emissão de poluentes. No Brasil, por exemplo, a montadora chegou a ser multada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). 

*O repórter viajou a convite da organização do Viasoft Connect

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Brasil

MP denuncia pintores que mataram idosa e diarista no RJ

Publicados

em

source
Prisão do pintor William Oliveira Fonseca
Divulgação – 12.06.2022

Prisão do pintor William Oliveira Fonseca

O Ministério Público do Rio denunciou os pintores Willian Oliveira Fonseca e Jhonatan Correia Damasceno pelos crimes de latrocínio (roubo seguido de morte), extorsão qualificada e incêndio contra a aposentada Martha Maria Lopes Pontes, de 77 anos, e sua diarista, Alice Fernandes da Silva, de 51. De acordo com as investigações da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), a dupla havia realizado um serviço recentemente no apartamento de luxo, no Flamengo, na Zona Sul do Rio, e retornou ao imóvel no último dia 9, quando cortou o pescoço das vítimas e ainda queimou o corpo da patroa. Ambos estão presos temporariamente.

De acordo com a denúncia, ao qual O GLOBO teve acesso, o promotor Silvio de Carvalho Neto, da Promotoria de Justiça junto a 27ª Vara Criminal, na tarde daquele dia, Willian e Jhonatan saíram de suas casas, em Acari, na Zona Norte da cidade, e deslocaram-se até o Flamengo, com bonés e máscaras, “a fim de dificultarem suas respectivas identificações junto às câmeras que guarneciam o condomínio”.

Ao chegarem no prédio na Avenida Rui Barbosa, foram autorizados a subir no apartamento de Martha e recebidos na porta dos fundos pela diarista. Nesse momento, Willian partiu para cima da funcionária, a amordaçando e amarrando suas mãos com uma fita durex que estava na cozinha da residência. Jhonatan então direcionou-se a idosa, que estava sentada em seu escritório, aproximando-se por trás e dizendo: “Fica calma, só quero seu dinheiro”.

Willian amarrou as mãos de Martha com um lacre e as pernas com um lençol e também a amordaçou. Com as duas vítimas imobilizadas e com suas liberdades restritas, Jhonatan pegou um talão de cheques no quarto da idosa e a obrigou a preenchê-los e assiná-los. Na posse das folhas, ele se dirigiu a uma agência bancária, na Rua Marquês de Abrantes, e efetuou três saques de R$ 5 mil. Os dois fugiram após o crime.

Segundo o laudo de exame de necropsia, a causa da morte de Martha e Alice foi esgorjamento — lesão profunda que atingiu a garganta das vítimas e que foi provocada por ação corto-contundente, possivelmente uma faca. Em depoimento prestado na DHC, Jhonatan confessou participação no caso, mas responsabilizou o comparsa pela morte das vítimas.

Na denúncia, Silvio de Carvalho Neto também requereu a prisão preventiva dos pintores, já que, segundo ele, a liberdade de Willian e Jhonatan “representará fonte inesgotável de intranquilidade e insegurança para a sociedade e familiares das vítimas fatais”: “A liberdade deste indivíduo contribuirá para a descrença da comunidade local na Justiça e estimulará a reiteração de tais inadmissíveis condutas criminosas nesta comarca. Enfim, imperioso se faz garantir a conveniência da instrução criminal, de modo que os parentes das vítimas e demais testemunhas possam depor em juízo sem sofrer perturbações. Isso porque, ainda que o denunciado não a ameacem diretamente, a simples presença ao seu lado, no dia da audiência, já é suficiente para lhe causar insegurança capaz de macular o testemunho”, escreveu o promotor.

Leia Também:  Polícia Civil cumpre ordens judicias contra empresas suspeitas de fraudes em licitações

Os cadáveres das duas mulheres foram localizados, por volta de 17h, por homens dos quartéis do Catete e do Humaitá do Corpo de Bombeiros. Eles foram acionados devido a um incêndio no apartamento onde estavam as vítimas. Pouco depois, uma faixa da Avenida Rui Barbosa chegou a ser interditada pela Polícia Militar, segundo o Centro de Operações (COR) da Prefeitura do Rio.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

polícia

política

Cidades

ESPORTES

Saúde

É Direito

MAIS LIDAS DA SEMANA