Home Destaque Mais de 1,5 tonelada de documentos da polícia de MT referentes aos...

Mais de 1,5 tonelada de documentos da polícia de MT referentes aos anos de 1980 a 2012 é destinada à reciclagem

0

Material foi destinado a uma empresa de reciclagem, em Várzea Grande.

Mais de 1,5 tonelada de documentos da Polícia Civil de Mato Grosso que perdeu a validade foi descartada e destinada a uma empresa de reciclagem, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá. Essa é a segunda vez em toda a história da Instituição que é feita a doação.

O montante de papéis que passou do prazo de arquivamento – tempo de validade – estava acondicionado no arquivo central da Polícia Civil, da Diretoria de Execução Estratégica (DEE), e refere-se a procedimentos das unidades policiais entre os anos de 1980 e 2012.

Todo material foi transportado em um caminhão da empresa prestadora do serviço, sendo posteriormente picotados em uma máquina específica e transformado em material reciclado.

De acordo com a Polícia Civil, o descarte realizado pela segunda vez, obedece a critérios da Resolução nº 40, do Conselho Nacional de Arquivos, datada de 9 de dezembro de 2014, que dispõe sobre os procedimentos para eliminação de documentos.

O primeiro descarte ocorreu em junho de 2017, com a destruição de 5 toneladas de documentos diversos.

O Arquivo Central da Polícia Judiciária Civil, localizado na Rua 2, no Bairro CPA 3, em Cuiabá, concentra centenas de documentos, de todas épocas, remetidos pelas delegacias e setores administrativos da Instituição, como boletins de ocorrências, processos, segundas vias de inquéritos policiais, entre outros documentos.

São considerados arquivos, o conjunto de documentos produzidos e recebidos por órgãos públicos, entidades privadas, em decorrência de sua atividade, e ainda por pessoas físicas. Os documentos são classificados como correntes – aqueles que constituem objetos de consulta frequente; intermediários – aqueles que, não sendo de uso corrente nos órgãos produtores, aguardam sua eliminação ou guarda permanente; e os documentos permanentes – aqueles de valor histórico, probatório e informativo, que devem ser preservados.

G1

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe sua resposta