Home Cidades Ícone político, Hermes Bergamin mantinha mais de 500 empregos em Juína –...

Ícone político, Hermes Bergamin mantinha mais de 500 empregos em Juína – saiba

0

Em 1980, a Família Bergamin migrou da pequena cidade de Barbosa Ferraz, no Paraná, para Mato Grosso. O patriarca José Nilo Bergamin, que tinha 78 anos quando faleceu em 2008, era um visionário que queria buscar uma vida mais confortável para a mulher e os filhos. Há 38 anos eles chegaram em Juína (a 733 km de Cuiabá), quando o município ainda era distrito de Aripuanã (a 704 km de Cuiabá).

Assim começou a história do ex-prefeito Hermes Lourenço Bergamin, 54, que morreu por volta das 17h da tarde desta quarta (15), soterrado em um buraco de 20 metros de profundidade, no garimpo de sua propiedade. Hermes tinha 16 anos quando se mudou para o distrito de Juína, que só foi emancipado dois anos depois da chegada da família Bergamin, sendo uma das pioneiras da cidade.

José Nilo, pai de Hermes mudou para Mato Grosso atraído pela propaganda de terras férteis. O período era de forte incentivo do governo militar em povoar os Estados do Centro-Oeste e Norte, garantindo que Mato Grosso, Rondônia, Pará e Amazonas se transformassem em regiões com maior densidade demográfica.

Ao chegar na cidade, José comprou um lote onde chamou de Terra Roxa. A propriedade fica a 60 km do centro de Juína, e era onde Hermes explorava a extração mineral de diamantes há 16 anos. A vida no garimpo passou a ser rentável, e aos poucos o ex-prefeito conseguiu adquirir outras terras passando a atuar na pecuária e na sojicultora.

As propriedades chegaram a ser alvo de briga judicial na família Bergamin, quando duas irmãs de Hermes, após o falecimento do pai conquistaram na Justiça o direito de sociedade na herança deixada por José Nilo.

Apesar do contratempo familiar, Hermes passou a ser um ícone na história política de Juína, principalmente porque era um dos principais empregadores da cidade, gerando cerca de 500 empregos diretos, quantidade expressiva já que o município conta com 40.905 mil habitantes.

A irmã de Hermes, Elzira Salete Bergamin Lima, 56, concedeu entrevista ao RDNews. Muito fragilizada pela perda do irmão, Salete estava emotiva durante a entrevista por  telefone, e precisou interromper a ligação duas vezes para consolar a mãe Clementina Bergamin, 87, que permaneceu ao lado da filha em estado emocional muito abalado.

Salete conta que foi a primeira a ingressar na política, em 2001, quando foi eleita vereadora, e voltou a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal em 2012 até 2016. Naquele período Hermes tinha sido eleito prefeito de Juína, em 2012, com 11.565 mil votos, totalizando 53,76% dos votos válidos.

“A gestão de Hermes foi marcada por priorizar a saúde. As contas do munícipio chegaram a ser aprovadas pelo TCE com destaque que era a única prefeitura do país que havia conseguido investir 33% de sua receita em saúde. Saúde, educação e estradas eram as prioridades. Meu irmão dizia, que as estradas eram primordiais porque era por onde passavam os alimentos”, relata Salete.

A ex-vereadora destaca que Hermes era um irmão muito presente na família. “Ele era muito carinhoso. Nos últimos dias ele estava mais atencioso e amoroso com todos. Mandava mensagens todos os dias. E gostava de trabalhar no garimpo, de tocar lavoura, cuidar do gado. Sempre foi muito gentil com a população. Nunca deixou de atender ninguém. Hermes, quando era prefeito, doava madeira para construir ponte do próprio bolso. Era um homem que fazia acontecer”, relata emocionada.Hermes Louren�o Bergamin

Em 2016, Hermes decidiu não disputar as eleições. Seus planos era ocupar uma cadeira na Assembleia Legislativa. Sua votação foi expressiva, recebeu 16.923 votos, só em Juína, o então candidato recebeu 8.421 votos, local com maior votação entre os 78 munícipios onde Hermes recebeu voto. Ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Hermes declarou uma fortuna de R$ 3,7 milhões, sendo que entre os bens declarados estão oito fazendas, avaliadas entre R$ 16 mil e R$ 300 mil.

O resultado das urnas em 7 de outubro garantiu a primeira suplência de Hermes, que era filiado ao Solidariedade, e coligado com o Democracia Cristã (DC), PRTB, Avante, PRP e Patriota.

Com a morte de Hermes, que assume a primeira suplência é o vice-prefeito de Nova-Mutum (a 240 km de Cuiabá), Leandro Félix (DC), que obteve 16.604 votos, seguido de Juca do Guaraná (Avante), que ficou na segunda suplência e conquistou 15.924 votos, e a terceira suplência será ocupada pelo vereador por Cuiabá, Lilo Pinheiro (PRP), que obteve 11.516 votos.

Casado há 27 anos com Lisani Bergamin, 60, Hermes deixa três filhos e uma neta. O velório será realizado na casa da família até 12h e depois será aberto ao público na Câmara Municipal.

O sepultamento está previsto para às 19h, no cemitério municipal de Juína.

Luto oficial

A Prefeitura de Juína decretou luto oficial de 5 dias pela morte do ex-prefeito Hermes Bergamim.

O atual prefeito da cidade, Altir Peruzzo (PT) era adversário político de Hermes, mas fez questão de demostrar respeito ao político. Veja nota.

  • Nota de pesar
  • É com profundo pesar que o Prefeito de Juína Altir Peruzzo vem a público expressar os seus sentimentos a toda família pela morte do ex-prefeito Hermes Lourenço Bergamim, ocorrida na tarde desta quarta-feira dia 14 de novembro de 2018. 
  • Em respeito aos serviços prestados por ele a toda a comunidade, o prefeito decretou luto oficial de 5 dias, considerando a triste perda do cidadão e pioneiro do município, foi decretado ainda, Ponto Facultativo nas repartições públicas municipais, nesta sexta-feira, 16 e na segunda feira dia 19 de novembro de 2018. Lembrando que os serviços essenciais serão executados normalmente.

 

 

 

Fonte: RDNews

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe sua resposta