Home Geral Empresária procura mãe biológica em Cuiabá

Empresária procura mãe biológica em Cuiabá

0

Silvana Ribas, repórter do GD

 

Jovem empresária que perdeu contato com a mãe biológica há mais de 20 anos agora tenta localizar ela e os outros irmãos, aqui em Cuiabá. Cristine de Souza Rodrigues, 22, foi separada da mãe quando tinha menos de seis meses de vida.

Após a separação do casal, foi levada pelo pai para Campo Grande (MS), onde cresceu sem ter contato com a mãe, chamada Nilza Souza de Paula. Segundo ela, o pai nunca falava do passado, bem como das circunstâncias que levaram a separação do casal. Também não respondia a seus questionamentos.

Divulgação

Cristine localizou a mãe por meio de uma reportagem publicada em 2005

Agora, casada e grávida de três meses, decidiu procurar a família. Ao lançar o nome da mãe, que consta em seu registro de nascimento, nas redes sociais, achou uma entrevista feita com Nilza e publicada no Jornal A Gazeta, na edição de 20 de novembro de 2005. A matéria foi reproduzida no site Gazeta Digital, o que permitiu sua localização pelo site de busca.

Na matéria de ajuda, Nilza relata a situação de miséria em que vivia. Morava em um barraco de madeira, no bairro Novo Paraíso, com os quatro filhos com idades de um, três, quatro e cinco anos. Um deles com doença neurológica e episódios de epilepsia. O marido era trabalhador de fazendas e o casal vivia com a renda de meio salário mínimo. Mas os telefones que estavam ao final da matéria publicada na época, para contato, são de pessoas que não conhecem Nilza.

A jovem acredita que familiares do pai, que ainda moram em Cuiabá, saibam onde a mãe possa estar morando. Mas não passam a informação a ela para não contrariar o pai.

Cristine, que possui uma empresa de segurança, quer resgatar uma parte de sua história e, para isso, conta com a colaboração de pessoas que possam apontar o paradeiro da mãe e dos irmãos, depois de tantos anos.

Para isso disponibiliza o contato pelo aplicativo whatsapp número (67) 99280-7255.

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe sua resposta