Home Política Dividida, comissão da PEC do foro na Câmara se reúne para definir...

Dividida, comissão da PEC do foro na Câmara se reúne para definir roteiro de trabalho

0

Texto encaminhado pelo Senado prevê o foro apenas para presidentes de poderes. Parte dos deputados da comissão defende o fim total da prerrogativa.

A comissão especial da Câmara que discute restrição ao foro privilegiado se reúne nesta quarta-feira (16) para definir o roteiro de trabalho do grupo.

Integrantes do colegiado, ouvidos pelo G1, divergem sobre a proposta em discussão que prevê a manutenção do foro apenas para os presidentes da República (e o vice), da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF).

O texto também acaba com esse direito em relação aos crimes comuns, como roubo e homicídio.

A prerrogativa de foro é o direito de autoridades serem julgadas por tribunais superiores, como o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o STF. Atualmente, cerca de 55 mil pessoas têm foro no país, incluindo juízes federais e governadores.

No início deste mês, o STF decidiu reduzir o alcance do foro privilegiado de deputados e senadores somente para aqueles processos sobre crimes ocorridos durante o mandato e relacionados ao exercício do cargo parlamentar.

A proposta em discussão na comissão especial da Câmara já foi aprovada pelo Senado, em maio do ano passado, e pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, em novembro.

Divergências

Críticos à proposta entendem que o benefício deveria ser extinto completamente. O deputado Ricardo Trípoli (PSDB-SP) acredita que já não há mais justificativa para o foro, em nenhum dos poderes.

“Hoje já não se faz mais necessário, fazia na época da ditadura em que uma manifestação de um parlamentar valeria uma cassação. Você não tendo mais o período de exceção, não tem mais sentido você ter a figura do foro privilegiado. A própria Constituição diz que todos são iguais perante à lei, por conta disso eu acredito que o ideal seria que não tivesse mais [o foro privilegiado], extensivo a todos os poderes”, afirma.

O deputado Rodrigo Martins (PSB-PI) segue a mesma linha em defesa da extinção total do foro. “Independentemente da função da pessoa, antes de tudo, ela tem que zelar pela legalidade de seus atos. Ele só vai ser processado se fizer alguma coisa ilegal. No meu ponto de vista, tem que acabar o foro para todas as instâncias de poderes”, defendeu o deputado.

G1 Política

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe sua resposta