Home Saúde Colesterol tem origem genética, na maioria dos casos

Colesterol tem origem genética, na maioria dos casos

0

A influência do histórico familiar é grande sobre o aumento do chamado LDL; lidar com o problema também passa pela dieta e atividade física

Todos os anos, as doenças cardiovasculares são responsáveis pela morte de milhares de pessoas ao redor do mundo. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, somente no Brasil esse número chega a 300 mil pessoas.

Quem se coloca mais atento ao problema já percebeu que os especialistas sempre recorrem aos exames de colesterol para avaliar a questão

Um dos principais indicadores de risco à saúde do coração, de fato, é o nível de LDL (sigla para “lipoproteína de baixa densidade”), conhecido popularmente como “colesterol ruim”. Isso acontece porque o aumento do LDL está relacionado com o aumento de doenças cardiovasculares como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC) e outras.

O exame que atenta para o colesterol, hoje, é solicitado a todos os pacientes nas consultas de rotina – e especialmente para aqueles com histórico semelhante entre familiares. Mas quanto do problema depende da genética?

A resposta é que cerca de 65% do nível de colesterol no sangue de uma pessoa têm origem genética (enquanto 35% estão relacionados a hábitos alimentares e comportamentais).

Por causa disso, é fundamental que as pessoas conheçam quais são os seus índices de colesterol desde cedo – e, se têm parentes de primeiro grau com histórico de infarto ou de colesterol muito elevado, muito cedo mesmo.

“Na maioria da população, uma avaliação deve ser feita a partir dos 20 anos. Em situações especiais, isso pode começar a partir de 2 anos de idade”, explica o cardiologista Eugênio Gomes de Moraes, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

O ideal é que, ao iniciar a vida adulta, as pessoas já tenham dosado os níveis de colesterol algumas vezes; assim, caso eles estejam (e permaneçam) alterados, o indivíduo deve ser orientado e encaminhado para um tratamento específico.

Segundo o cardiologista, o LDL elevado (pela genética ou outros fatores) pede, de qualquer modo, uma alimentação saudável e equilibrada, além de outras recomendações de modificação no estilo de vida.

“Os níveis de colesterol podem se elevar em função do consumo alimentar aumentado de certos produtos, como ácidos graxos saturados e ácidos graxos trans”, lembra Moraes.

São alimentos como leite e derivados integrais, carne, frango e peixe com alta quantidade de gordura e/ou pele, camarão, alimentos industrializados, frituras e produtos como pães doces, bolos, tortas.

O equilíbrio no consumo desses itens contribui de maneira eficaz no controle do LDL – além da troca por leite e derivados desnatados, carne, peixe e frango cozidos, assados ou grelhados sem pele e adição de gorduras, hortaliças frescas, óleos vegetais, sementes oleaginosas e cereais integrais na dieta.

Especialmente para quem tem o histórico familiar de LDL elevado, o aconselhamento nutricional faz muito sentido, ajudando a selecionar melhor o que se come, quantidades e os modos de preparar a refeição (juntamente com uma supervisão também na prática regular de exercícios, outro ponto decisivo no controle do problema).

​Vale, ainda, um alerta: muitas vezes, assustadas com a determinação de um histórico familiar e a presença do LDL elevado, as pessoas simplesmente cortam a gordura da rotina. Não é o caso – e excluir esse elemento pode ainda acarretar consumo maior dos açúcares e carboidratos, o que também coloca o coração em risco.

FONTE:CORAÇÃO E VIDA

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe sua resposta