Home Saúde Campanha “Coração na Batida Certa” conscientiza sobre o risco das arritmias cardíacas

Campanha “Coração na Batida Certa” conscientiza sobre o risco das arritmias cardíacas

0

20 milhões de pessoas sofrem no Brasil com o problema, diz Sobrac

Cerca de 20 milhões de brasileiros sofrem de arritmias cardíacas, ou seja, de frequência cardíaca anormal – irregular, acelerada ou muito lenta. O problema provoca até 320 mil mortes súbitas por ano, segundo a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac).

Para despertar a necessidade de as pessoas se cuidarem e passarem por exames cardiológicos regularmente, a Sobrac criou, há 10 anos, a campanha “Coração na Batida Certa”.

Neste dia 12 de novembro, a sociedade realizará mais de 20 ações educativas em diversas cidades de todas as regiões brasileiras.

“É por isso que a Sobrac realiza ações ao longo do ano e enfatiza o alerta no dia 12 de novembro, data em que reiteramos a importância da educação para a prevenção, sobre a doença e como cada um pode manter o coração no ritmo certo”, explica Denise Tessariol Hachul, cardiologista e presidente da Sobrac.

Arritmia e fibrilação atrial

O tipo de arritmia cardíaca mais comum é a fibrilação atrial. Quem apresenta esse problema tem um risco de cinco a sete vezes maior a sofrer um AVC, por causa da contração pouco eficaz dos átrios cardíacos.

Além disso, estima-se que 10% da população com mais de 80 anos traz consigo a fibrilação atrial.

Quem tem hipertensão arterial, diabetes, é obeso, sofre com apneia do sono, refluxo gastroesofágico, bebe muito álcool, tem doenças na tireoide e problemas estruturais no coração tem mais chance de apresentar fibrilação atrial.

Além disso, apesar de a prática moderada de atividade física reduzir o risco de doenças cardíacas – entre elas as arritmias, quem decide praticar atividade física de alta performance por um longo período pode ter três vezes mais risco de fibrilação atrial.

Saiba mais sobre a campanha no site da Sobrac.

FONTE:CORAÇÃO E VIDA

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe sua resposta