Home Geral Anticristo controlará o mundo pela internet, afirma líder religioso russo

Anticristo controlará o mundo pela internet, afirma líder religioso russo

0

O patriarca Cirilo I de Moscou é líder da Igreja Ortoxa Russa e tem uma mensagem para você. Segundo ele, é preciso ter cuidado ao usar a “internet móvel” porque essa é uma brecha para que um ser maligno “ganhe controle global sobre a raça humana”. Pois é, na visão do religioso russo, a internet será o meio por meio do qual o Anticristo controlará os seres humanos.

“O Anticristo é a pessoa que estará à frente da internet, controlando toda a humanidade”, alertou Cirilo I em entrevista concedida ao canal estatal russo Rossiya 1. Apesar de conter ares apocalípticos, a visão de Cirilo I não deixa de encontrar lastro na realidade quando ele fala sobre privacidade e concentração de poder na web.

Por exemplo, ele destacou que, sempre que você usa um gadget, “alguém pode descobrir exatamente onde você está, saber exatamente quais são seus interesses e do que você tem medo” — mesmo quando a localização do aparelho está desativada.

“Mais dia, menos dia os dispositivos e a tecnologia não vão apenas fornecer acesso a todas as informações, mas também vão permitir o uso dessas informações. Você imagina o poder que estará concentrado nas mãos daqueles que ganham conhecimento sobre o que está acontecendo no mundo?”, questionou. “Esse controle de um ponto é um presságio da vinda do Anticristo,” alertou.

Na mesma conversa, o líder religioso russo deixou claro que o problema não está na tecnologia, mas no modo como ela é usada. Ele garante que não se opõe ao “progresso tecnológico”, mas sim as “desenvolvimento de um sistema que visa controlar a identidade de uma pessoa.”

Críticas e desconfiança

Cirilo I de Moscou é próximo ao presidente russo Vladimir Putin e costuma ser acusado de “emprestar” a sua autoridade religiosa ao controverso governo russo. A Rússia planeja lançar uma internet própria e as declarações do líder religioso são vistas como uma forma de preparar terreno para essa e outras iniciativas contra a liberdade na rede, relata a BBC.

TecMundo

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe sua resposta