Home Saúde A informática em serviços de saúde

A informática em serviços de saúde

0

A informática em saúde usa a tecnologia da informação para organizar e analisar os registros de saúde para melhorar os resultados da assistência médica. As suas ferramentas incluem terminologia médica, sistemas de informação e comunicação e tecnologia de computadores. Fornece acesso eletrônico aos registros médicos para pacientes, médicos, enfermeiros, administradores de hospitais, companhias de seguros e técnicos de informações de saúde. Importante entender os requisitos e os princípios das melhores práticas de negócios para que países e suas autoridades de saúde possam planejar e implementar o uso de tecnologia da informação e comunicação para suportar o desenvolvimento e a entrega de serviços de saúde.

O fato de a tecnologia estar transformando rapidamente os serviços de saúde não deve surpreender ninguém. De braços robóticos que realizam cirurgias a nanorrobôs que administram drogas pela corrente sanguínea, os dias em que o médico de família que cuidava da saúde parece ter dado lugar a máquinas e softwares.

No entanto, o impacto evolutivo da tecnologia nos cuidados de saúde não é apenas estrelas cadentes, sinos e assobios. Algumas das mudanças mais importantes na área da saúde podem passar despercebidas devido ao fato de serem mais simples, mas isso não significa que elas não sejam tão revolucionárias quanto os minirrobôs correndo pelas veias cheias de sangue.

Essa especialização que vem combinando comunicação, tecnologia da informação e assistência médica para melhorar o atendimento ao paciente e está na vanguarda da atual mudança tecnológica na medicina. Na verdade, os cuidados de saúde não são apenas caros, mas, às vezes, causam desperdícios.

Estima-se que metade de todas as despesas médicas sejam desperdiçadas devido a procedimentos repetidos, incluindo as despesas associadas a métodos mais tradicionais de compartilhamento de informações, atrasos no atendimento, erros no atendimento ou entrega, etc. Com um sistema eletrônico e conectado, boa parte desse desperdício pode ser reduzida.

Dos resultados do laboratório que chegam ao seu destino mais rapidamente, melhorando melhor a prestação de cuidados em tempo hábil e reduzindo as reclamações por negligência, a informática em saúde reduz erros, aumenta a comunicação e aumenta a eficiência onde antes havia incompetência e obstrução dispendiosas. Dessa forma, há uma razão pela qual a medicina é chamada de prática e é porque os prestadores de serviços de saúde estão sempre aprendendo mais e aprimorando suas habilidades.

A informática em saúde fornece uma maneira de compartilhar conhecimentos com mais facilidade pacientes, doenças, terapias, medicamentos e afins. À medida que o conhecimento é mais rapidamente transmitido entre prestadores e pacientes, a prática da medicina melhora – algo que ajuda a todos na cadeia de atendimento, desde administradores de hospitais e médicos a farmacêuticos e pacientes.

Quando os pacientes têm acesso eletrônico ao seu próprio histórico e recomendações de saúde, isso os capacita a levar mais a sério seu papel em seus próprios cuidados de saúde. Os pacientes que têm acesso aos portais de atendimento são capazes de educar-se com mais eficácia sobre seus diagnósticos e prognósticos, além de acompanhar melhor os medicamentos e os sintomas.

Eles também são capazes de interagir com médicos e enfermeiros com mais facilidade, o que gera melhores resultados também. A informática em saúde permite que os indivíduos sintam que são uma parte valiosa de sua própria equipe de saúde, porque são.

Uma crítica à abordagem do atendimento ao paciente por meio da informação e da tecnologia é que o atendimento está se tornando cada vez menos pessoal. Em vez de um médico conhecer um paciente em tempo real e no espaço para oferecer o melhor atendimento, o trabalho de conhecer é colocado em dados e algoritmos.

À medida que os dados são coletados sobre um paciente, algoritmos podem ser usados para classificá-los, a fim de determinar o que está errado e que cuidados devem ser oferecidos. esta ver que efeitos essa abordagem orientada a dados terá ao longo do tempo, mas independentemente, como os cuidados estão ficando menos pessoais, é vital ter um registro válido e preciso que o paciente e seus prestadores de cuidados possam acessar.

Os cuidados de saúde estão se tornando cada vez mais especializados, o que significa que a maioria dos pacientes recebe atendimento de até uma dúzia de pessoas diferentes em uma internação hospitalar. Esse aumento de especialistas exige um aumento na coordenação e é a informática em saúde que fornece o caminho a seguir.

Preocupações farmacêuticas, níveis sanguíneos, nutrição, fisioterapia, raios-X, instruções de alta, etc. – é impressionante quantas conversas diferentes um único paciente pode ter com uma equipe de pessoas em relação a cuidados, e a menos que essas conversas e esforços sejam feitos em conjunto. A informática em saúde possibilita a coordenação necessária.

Enfim, a maneira mais importante pela qual a informática está mudando os cuidados de saúde está em melhores resultados. Registros médicos eletrônicos resultam em atendimento de maior qualidade e atendimento mais seguro, pois as equipes coordenadas fornecem melhores diagnósticos e diminuem a chance de erros.

Médicos e enfermeiros podem aumentar a eficiência, o que libera tempo para gastar com os pacientes, e tarefas e tarefas previamente manuais são automatizadas, o que economiza tempo e dinheiro – não apenas para hospitais, clínicas e prestadores, mas também para pacientes, companhias de seguros, e governos estaduais e federais também. Os cuidados de saúde estão passando por uma grande renovação graças à tecnologia e a informática em saúde está ajudando a garantir que parte da mudança resulte em maior eficiência, coordenação e melhoria dos cuidados.

A ABNT ISO/TR14639-2 de 01/2019 – Informática em saúde – Roadmap de arquitetura de e-Saúde baseada em competência – Parte 2: Componentes de arquitetura e modelo de maturidade constitui um guia para os requisitos e princípios das melhores práticas de negócios para que países e suas autoridades de saúde possam planejar e implementar o uso de tecnologia da informação e comunicação (ICT) para suportar o desenvolvimento e entrega de serviços de saúde. A arquitetura corporativa de referência é descrita em termos de componentes e capacidades que as autoridades de saúde podem utilizar como um framework para construir suas próprias arquiteturas de e-Saúde e também para mensurar a maturidade do uso de ICT de seus sistemas de saúde para suportar o desenvolvimento e entrega de serviços de saúde.

Vale a pena notar que, embora esta parte tenha sido desenvolvida tendo particularmente em mente os países de renda baixa e média, ela pode ser útil para qualquer país. Mesmo que em alguns aspectos a maturidade seja alta, países desenvolvidos podem ainda precisar de aconselhamento sobre componentes de arquitetura para alguns aspectos de um sistema de e-Saúde integral.

O desenvolvimento de arquiteturas de e-Saúde baseadas nas diretrizes estabelecidas nesta parte irá facilitar e otimizar os investimentos em Sistemas de Informação em Saúde para alcançar as metas seguintes: a informação sendo utilizada de forma custo-eficiente para a melhoria dos serviços de saúde; informação de saúde sendo harmonizada, consistente, acessível e pronta para ser utilizada de forma efetiva; pacientes, profissionais da saúde e formuladores de políticas com acesso aos dados corretos para tomar decisões sobre assistência médica, tratamentos e serviços de saúde; a informação apropriada fica disponível para suportar práticas baseadas em evidências e o planejamento de serviços de saúde, a qualidade e a segurança dos serviços de saúde, e para melhorar a saúde pública; melhorar a acessibilidade dos serviços de saúde; suportar a harmonização dos Sistemas de Informação em Saúde e as normas de informação de saúde.

Espera-se que esta parte seja uma valiosa fonte de informação para: o pessoal responsável pela política, planejamento e prestação de serviços de saúde; os que desenvolvem recursos para informação de saúde e política de e-Saúde em níveis nacional e regional em cada país; organizações não governamentais (ONG) e outras que busquem suportar ou implementar sistemas de coleta de informação, estatísticas e prestação de serviços de saúde em economias em desenvolvimento e emergentes; desenvolvedores e implementadores de sistemas e serviços de informação em saúde; instituições e estudantes acadêmicos e de pesquisa em informática em saúde; e outras partes interessadas do setor de saúde.

Assim, propõe também um modelo de maturidade e metodologia que as organizações podem levar em conta no desenvolvimento e evolução de suas capacidades de e-Saúde em áreas operacionais específicas de nível baixo, médio ou alto. A arquitetura corporativa de referência proposta identifica os componentes e capacidades necessários para suportar as diversas atividades de saúde junto com a governança, infoestrutura e infraestrutura de ICT necessária para um uso eficiente da informação no desenvolvimento e entrega de serviços de saúde.

O comitê ISO/TC 215 identificou a necessidade urgente de normas internacionais para arquiteturas de informação em saúde que incluam também requisitos que atendam aos países de economias em desenvolvimento, com imaturidade relativa na disponibilidade de recursos. Uma Força-Tarefa de Saúde Pública de especialistas internacionais, estabelecida pelo TC 215, produziu um relatório detalhando os desafios que estes países enfrentam e algumas das respectivas estratégias de padronização.

Esta Parte do ABNT ISO/TR 14639 oferece um guia de melhores práticas na identificação de requisitos de negócio e princípios para o planejamento do uso das tecnologias de informação e comunicação (ICT), para apoiar o desenvolvimento, coordenação e fornecimento de serviços de saúde por países e suas autoridades de saúde subordinadas. Uma das atividades que motivaram este trabalho se originou em uma reunião realizada em Bellagio, Itália, em março de 2010, para explorar como abordar a questão da “exclusão digital” entre países de alta e baixa renda.

sig=b01CQml3RXBuc05xUmc2NkoybERWWjFRa0lVWVRuZVZEMG9TbW5CcnpaZnI2bit4ZkNhcVlsT08yRUpGQ0dDSHJDVzh2R2tpSEZZNWlSTlFGVE5HZGRhZWNmRzYyekkxdlNEVmhhNDJYNDZWS2tTV0VUNGphcVFoTHduNUlwemQ=&w=NjM3MTA2NDIyNDUwOTQyNDg4″ width=”100%” height=”350″ scrolling=”no”]

Foram feitas as seguintes observações: há um aumento do interesse no desenvolvimento da infoestrutura de e-Saúde que suporte Sistemas de Informação em Saúde (HIS) eficientes em países de baixa renda, o que inclui responder os surtos de doenças, monitorar o estado de saúde da população e melhorar tanto a saúde pública quanto a individual; as normas internacionais sobre informática em saúde ajudam os países a tomar as decisões certas a respeito da arquitetura de e-Saúde de forma a reforçar seus sistemas de saúde.

As arquiteturas HIS que são não proprietárias e baseadas em normas internacionais podem ser mais robustas e à prova de obsolescência; o uso de normas internacionais sobre informática em saúde em países de baixa renda é dificultado pela falta de conhecimento e consciência a respeito das normas apropriadas, pelo acesso às normas e guias de implementação, e pela pouca participação nas atividades da Organização para o Desenvolvimento de Padrões (SDO), devido à quase total falta de financiamento para suportar tais atividades; d) as normas internacionais sobre informática em saúde existentes abordam de maneira insuficiente as necessidades dos países de baixa renda (LIC) para desenvolverem seus sistemas de monitoramento, saúde pública e cuidados ao paciente.

Um exemplo disto é a computação móvel e o uso de SMS para transmitir informação do paciente, lembretes e alertas. Portanto, é fundamental a participação dos LIC no processo de desenvolvimento de normas internacionais.

A participação nas atividades da ISO requer uma organização nacional de normas ou agência do governo como membro oficial da ISO. O desenvolvimento de normas internacionais tem custo. Uma quantia significativa de tempo e dinheiro precisa ser investida para preparar documentos, comentar as propostas e participar das reuniões da SDO, e para adotar, adaptar e localizar as normas.

Estes custos representam uma barreira genuína à participação dos países de baixa renda. O acesso às normas internacionais também tem um custo que é com frequência proibitiva para pessoas e organizações em países de baixa renda. Há o reconhecimento de que o modelo de negócio de algumas SDO se baseia na venda de normas internacionais como forma de suportar o processo de desenvolvimento das normas e seus custos operacionais.

O fortalecimento dos HIS pode ser promovido pelo uso de normas internacionais compartilhadas para as atividades de Monitoramento e Avaliação (M & E) em agências governamentais, organizações internacionais, doadores e outras partes interessadas. Entre as diversas SDO há duplicações e sobreposições em termos de normas internacionais sobre informática em saúde. Países de baixa renda precisam de um único conjunto de normas internacionais que sejam utilizáveis, com base no trabalho ISO/TC 215, HL7, e CEN/TC 251 do Conselho de Iniciativa Conjunta (JIC) para harmonizar as normas internacionais e facilitar a adoção e adaptação global internacional de normas organizacionais e regionais baseadas no processo para normas ISO.

Embora nem todas estas observações sejam abordadas no escopo deste Relatório Técnico, ele é uma tentativa de responder a algumas destas observações, fornecendo um framework robusto para países de baixa renda no planejamento da arquitetura de e-Saúde e desenvolvimento do sistema de saúde. Os outros itens serão abordados no momento oportuno. Esta parte examina diversas atividades e seus critérios para o uso eficiente da tecnologia da informação e comunicação (ICT) para suportar o planejamento, coordenação e entrega de serviços de saúde.

Pretende fornecer a orientação necessária sobre o uso da informação com base em um modelo de critérios pelo qual o desenvolvimento da competência de e-Saúde pode ser planejado, e o progresso na direção de seu uso eficiente pode ser avaliado. Ao preparar esta parte, o intuito original foi oferecer orientação a países emergentes e em desenvolvimento, e aos diversos grupos internacionais que levam a cabo os programas nestes países.

À medida que o trabalho avançava, ficou claro que o trabalho pode ser amplamente aplicado a todos os serviços de saúde e que há lições em potencial para todos à medida que é examinada a forma em que a informação é produzida, gerenciada e utilizada em diversos aspectos do trabalho. Importantes também foram a identificação das respectivas normas de informática em saúde e a função da padronização internacional no suporte a e-Saúde.

Esta parte se baseia nas lições de diversos países, inclusive daqueles cujas atividades encontram-se resumidas no ABNT ISO/TR 14639-1, tendo sido em grande parte inspirado nas experiências das atividades da Rede para Métricas em Saúde (framework OMS/HMN) patrocinada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O foco particular desta parte é o potencial de ICT auxiliar na coleta, comunicação, armazenamento, processamento e uso da informação que suporta o planejamento, coordenação e entrega de serviços de saúde.

Não obstante, reconhece também a importância das medidas iniciais que envolvem a coleta de dados convencional e a necessidade de uma rota de migração de sistemas de gerenciamento da informação manuais para semiautomatizados e totalmente automatizados. A arquitetura de referência para a empresa, descrita nesta parte, representa um ponto de partida para o ponto de vista corporativo ou camada de negócio de uma arquitetura corporativa abrangente, que incluiria outras camadas ou pontos de vista, como as perspectivas informação/dados, computacional/função, engenharia e tecnologia.

Este modelo serviria, por exemplo, para ajudar a identificar iniciativas e explorar os atributos dos componentes que formariam uma estratégia de e-Saúde nacional. A arquitetura corporativa abrangente é normalmente configurada e mantida por meio de um processo estruturado que envolve o seguinte: uma abordagem organizada para assegurar que os investimentos em tecnologias ICT e sistemas de informação atendam às prioridades gerais para uma efetiva operação e entrega de serviços de saúde e a informação necessária para seu planejamento, desenvolvimento e melhoria contínua; identificar e descrever o principal atributo dos serviços de informação, componentes, atividades e políticas de e-Saúde necessárias para suportar os requisitos operacionais para serviços de saúde em uma dada jurisdição (ou organização); o desenvolvimento de requisitos estruturados para o planejamento e investimento mais detalhados em Sistemas de Informação em Saúde, e para o desenvolvimento e disseminação de políticas de informação em saúde.

Onde aplicável, esta parte do ABNT ISO/TR 14639 utiliza e faz referência aos princípios, políticas e especificações estipuladas nas normas internacionais correspondentes e nos frameworks arquiteturais existentes, comumente utilizados no setor de saúde, incluindo: ISO 12967, Health Informatics Service Architecture (HISA) the vision and principles of the World Economic Forum (WEF) Global Health Data Charter como visto no Anexo A, e o Health Enterprise Architecture Framework (HEAF).

Uma abordagem em camadas à estruturação de arquiteturas e modelos de informação é proposta nesta parte, com base em abordagens similares, como o Modelo Geral de Componentes introduzido no Anexo B, o Health Metrics Network Framework da OMS, TOGAF e o Zachman framework. Particularmente, HISA e o HEAF foram especificamente desenvolvidos para auxiliar no processo de definir as arquiteturas de e-Saúde para uso em serviços de saúde. Ver Anexo C com mais informação sobre HISA.

Uma breve lista de normas internacionais sobre informática em saúde nas quais se baseiam os componentes de arquitetura pode ser encontrada no Anexo D. Ver 6.1.4 sobre governança e propriedade nacional na adoção e implementação de normas de e-Saúde. Em maio 2012, a OMS e ITU publicaram uma Ferramenta Estratégica Nacional de e-Saúde, que incorpora a maioria dos conceitos relevantes para uma Arquitetura Corporativa, sob medida para a criação de uma Estratégia Nacional de e-Saúde.

Isto resultou em um processo exaustivo, porém contínuo e mais fácil de entender e aplicar. Esta Ferramenta apresenta um completo conjunto passo a passo de métodos, listas de verificação e exemplos a serem utilizados por gerentes em nível de país ou região no desenvolvimento de uma Visão Estratégica de e-Saúde, um Plano de Ação de e-Saúde, e um Plano de Monitoramento e Avaliação.

A Ferramenta Estratégica Nacional de e-Saúde da OMS-ITU, o ISO/TR 14639-1 e esta parte do ABNT ISO/TR 14639 formam um conjunto complementar de ferramentas para o desenho e implementação de uma arquitetura de e-Saúde. Os componentes de arquitetura e suas características, como descrito nesta parte, foram desenhados para serem revistos e, quando aplicável, adotados por países e autoridades de saúde conforme suas necessidades específicas.

Particularmente, os componentes e características podem ser utilizados como requisitos modelo no desenvolvimento de arquiteturas corporativas, ou como meio de avaliar e melhorar a maturidade de e-Saúde. Cada componente é configurável para atender às necessidades locais por meio da descrição de características indicativas de uma gama de funcionalidades da mais básica até as mais avançadas.

As características de diversos níveis de competência para cada componente formam a base do modelo de maturidade subjacente; os pontos de partida típicos para o desenvolvimento de capacidades são fornecidos para cada um dos componentes no nível mais baixo de maturidade junto com os princípios básicos a que a arquitetura deve aderir. Há ênfase no desenvolvimento de arquiteturas de e-Saúde bem estruturadas, em camadas, com interfaces bem definidas e de preferência padronizadas entre os diversos componentes e camadas.7

Há foco particularmente nos potenciais requisitos de e-Saúde correspondentes a países de renda média e baixa (LMIC). Esta parte descreve os componentes de uma arquitetura de e-Saúde que suporta um abrangente Sistema de Informação de Saúde (HIS). Nem todos os componentes estarão presentes em um país, dependendo das prioridades estratégicas e do nível de desenvolvimento.

O modelo de arquitetura de e-Saúde descrito nesta parte é o resultado das discussões entre o grupo de especialistas ISO/TC 215, especialistas convidados e representantes dos países. Foi procurado o aporte de países de alta, média e baixa renda, e especialistas em saúde pública. Mapeando a competência existente com os modelos arquiteturais e de maturidade, os países podem identificar lacunas em suas prioridades estratégicas.

Para facilitar esta análise, foram definidos níveis de maturidade (ou competência) para cada um dos componentes da arquitetura de e-Saúde. As arquiteturas corporativas de e-Saúde fornecem uma abordagem organizada que assegura que os investimentos em tecnologia ICT e sistemas de informação atendam a todas as prioridades para uma operação eficiente e entrega de serviços de saúde, e a informação necessária para seu planejamento, desenvolvimento e melhoria contínua.

Em geral, a arquitetura corporativa é uma ferramenta de modelagem que suporta e facilita o entendimento, análise e desenho de empresas. A arquitetura corporativa foca principalmente no uso da tecnologia da informação, mas tende a incluir todos os aspectos de uma empresa, e oferece várias perspectivas, por exemplo, as dimensões estratégica, tecnológica e de negócios.

Assim, a arquitetura corporativa de e-Saúde identifica e descreve o principal atributo dos serviços de informação de e-Saúde, seus processos, componentes, atividades e políticas necessárias para suportar os requisitos operacionais de serviços de saúde em uma jurisdição (ou organização). Esta parte foca particularmente nos possíveis requisitos de e-Saúde dos governos em países emergentes e em desenvolvimento e outras autoridades responsáveis por serviços de saúde nestas economias.

Uma vez desenvolvida, a arquitetura de e-Saúde oferece requisitos estruturados que permitem um planejamento e investimento mais detalhado em sistemas de informação em saúde, e para o desenvolvimento e disseminação de políticas de informação em saúde relativas às necessidades de economias emergentes e em desenvolvimento. Embora os diversos requisitos estabelecidos nesta parte possam ser utilizados para suportar qualquer atividade de planejamento ou aquisição de e-Saúde, o principal objetivo é ajudar países emergentes a desenvolver e manter arquiteturas corporativas de e-Saúde locais, especificando as áreas comuns de possíveis requisitos.

Revista ADNormas

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe sua resposta